Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 07-06-2019 in all areas

  1. 2 points
    achei .... hahahah ... lembra ?
  2. 1 point
    Lá se foram 23 anos... Esta foto integrava uma matéria publicada na edição nº 201, da saudosa revista Troféu Pesca, em 1996. Foi publicada hoje na página "Memórias da Pesca" no Facebook.
  3. 1 point
    Embora ainda não seja um mosqueiro, penso que quando um mestre parte certamente é porque cumpriu a sua missão , abrindo uma vaga na cadeira da grande sala, para a ascensão daqueles se graduaram com os ensinamentos transmitidos por ele. Sr. Fausto e os demais da ABPM vossas missão apenas aumenta com esta ausência.
  4. 1 point
    Mas foram com eles mesmo que logo comecei as pescarias deixando no suporte feito com forquilhas no mato, tão logo fui iniciado pelos senhores vizinhos que chamavam me quando iam pescar. eu ganhei deles , a partir daí iniciei o namoro conhecendo as vitrines de lojas e o Mappin era meu point, quando ganhei o primeiro salário comprei o Paoli.
  5. 1 point
    KKkkkk! Aqueles Tokio, eram notáveis. Pareciam mesmo de brinquedo. Mas era esse o panorama dos molinetes de baixo custo. Lembra do Dehn Spot? E o Paoli 2000? Eram chamados molinetes de entrada. Entrada na lixeira, claro.
  6. 1 point
    Caramba....ganhei meu primeiro combo de molinete e vara quando meu pai comprou ai kkkkk uma vara tokio de fibra de vidro maciça com um molinete tokio 1000.... um combo lixo kkkkkkkkkk nem bucha o molinete tinha e a vara poderia ser usada no baseball. Mas tratei com carinho até doá-los muitos e muitos anos depois.
  7. 1 point
    Lembro desse Jumbo. Até hoje vou lá perto, quando quero ir no Jucalemão.
  8. 1 point
    boa kkkkkkk com mono 0,25 mm da Caiçara Ouro kkkkkk
  9. 1 point
    ali era o Well"s ... lembra ? ... ia de sabado de madrugada pra comer feijoada ... hahahahha
  10. 1 point
  11. 1 point
    Sem dúvida. Preciso vencer a inércia e começar a sair de novo. Mas ainda estou naquele período de mudança de endereço em que ficamos ainda dando aqueles arremates na nossa vida e nas coisas. Mas o Ap já está 98% montado. (alguém quer comprar minha Canoa?)
  12. 1 point
    Aqueles garruchões cal. 28 que todo mundo tinha nos sítios para matar cobra?
  13. 1 point
    A única vez em que fiquei em Guapé, há mais de 10 anos, fiquei admirado com os minúsculos Tucunarés que capturavam e matavam para levar. Seria melhor levar Lambarís. Lembro que, jocosamente, perguntei que peixe era aquele. Tucunaré, responderam. Eu sorri e disse que com certeza não era, pois Tucunaré que eu conhecia era um peixe "deste tamanho" , e mostrei uns 40 cm de palmo a palmo.
  14. 1 point
    Cacilda! Achei um que também foi no jack. Fui naquele da Brigadeiro Luis Antonio, perto do hoje Extra.
  15. 1 point
    Rapaz, preservar é a chave do sucesso. Não estamos tão longe assim, e a realidade é a mesma. Parando a matança, capaz de encontrar tucunaré até na areia. Esta bem fresco por aqui, mas pretendo tentar a sorte no fds.
  16. 1 point
    NOVA JORNADA NO FABULOSO SUIÁ-MIÇU Uma de boas coisas na vida é poder repetir algo que fizemos no passado com o mesmo sucesso. E assim foi com esta jornada na Pousada Suiá-Miçu, de nosso amigo Euler Vieira! Quando lá estivemos no ano passado em nossa primeira jornada, acertamos muito bem com os trairões e tucunarés, de sorte a resultar uma de nossas melhores jornadas enquanto pescadores, até porque a meta era justamente isso. Como tudo foi uma grande novidade, quisera parecer que talvez estivéssemos em uma semana de sorte e de abundância de peixes, mas nas conversas com o pessoal de lá, bem como, com os guias da pousada, soubemos que não havia nada de excepcional, senão a própria verdade: o local é mesmo muito bom de peixe! Então, nada melhor que repetir para conferir e foi o que fizemos! Estivemos novamente naquele lugar sensacional, tanto de beleza natural, quanto de pesca. Não foi possível uma jornada em época diferente daquela do ano passado por conta de compromissos, de maneira que, se no ano passado lá estivemos na penúltima semana de atividades, neste ano estivemos na última. Havia meses que não chovia por lá e, agora, no dia em que lá chegamos a temporada de “inverno” já se anunciava com as primeiras chuvas, inclusive com árvores caídas fechando a estreita estrada de terra logo mais próximo da pousada. Sorte que o pessoal de lá fica atento quando estão para receber pescadores e já ficam preparados para qualquer eventualidade de ter de limpar a estrada, permitindo a passagem. As estradas para se chegar à pousada são simplesmente espetaculares! Primeiro, um estradão, para depois afunilar-se e restar apenas uma maravilhosa estradinha mata adentro. Portanto, era de se esperar que a qualquer momento a chuva viria. E veio, não só no dia em que chegamos como também nos dias seguintes, mas apenas para amenizar o calor e ajudar a Natureza em seu processo de renovação, sem atrapalhar a jornada de pesca. Contudo, em poucos dias a pesca viria a se tornar impraticável, razão pela qual a formidável pousada só funciona de maio a setembro de cada ano, permanecendo fechada nos demais meses. De novo naquele lugar, era também de se imaginar que as coisas viriam a ser muito iguais e parecidas, mas na verdade, ali não há dia igual a outro, porque são muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo ao redor do pescador. São belíssimas manifestações da Natureza a ponto de, em algum momento se ouvir grande estardalhaço na água para se perceber um grande cardume de tucunarés, bicudas e cachorras batendo firme sobre espécies menores, enquanto que em outro momento se ouvir barulho ainda maior para perceber então que um jacaré andou aprontando alguma nas cercanias. Mesmo quando a água está aparentemente calma se percebem pequenos peixes praticamente “voando” sobre a superfície para fugir dos ataques de peixes maiores, ou até mesmo de nossas iscas. Enquanto isso, araras, capitães-do-mato e outras aves estão sempre a nos agraciar com seu canto e harmonia. Quando se pensa que isso tudo possa entender-se esgotado, ainda sobrevém o importante detalhe de que às vezes é preciso “garimpar” estas manifestações da Natureza, para incluir não só o que se apresenta sob a forma de sons e imagens, mas também o que vem sob a forma de perfumes, sensações e também ocorrências somente perceptíveis pelo pescador mais atento, como foi o caso de percebermos a silenciosa travessia de uma anta em uma baía! Este é o coroamento da definição do que vem a ser a arte de pescar, que muito antes disso já começa em casa, no processo de escolha e arrumação da tralha, manutenção nos equipamentos, carregamento de linhas cuidadosamente escolhidas, eleição das iscas artificiais que estarão mais à frente, sem deixar em reserva aquelas relegadas a segundo plano, pois muitas vezes elas serão as verdadeiras protagonistas nas capturas, passando também pelo planejamento das estratégias que serão empregadas nas jornadas e mais alguns pequenos detalhes que ajudam a completar este prazeroso processo. Embora o rio ofereça outras espécies, como pirararas, cacharas, grandes cachorras e corvinas, preferimos novamente centrar nossos esforços na pesca de trairões, alternando com a pesca de tucunarés, muito embora tenham se apresentado alguns “intrusos” nas capturas, o que é sempre bem-vindo. O mais intruso foi um jacaré que entrou em uma isca "Trairão" que um amigo, Fernando, me enviou desde Espanha, mas teve até raia pega pela cauda! Para os tucunarés só usamos iscas artificiais, muito embora algum que outro tenha entrado na isca natural enquanto se tentavam trairões, porque estes, nem sempre estão muito dispostos às artificiais. É impressionante como o Suiá-miçu e seus tributários têm trairões, porque não se navega muito para encontrar um ponto onde estejam. Inclusive há pontos muito próximos à pousada não demandando mais que alguns poucos minutos de navegação. Contudo, o espírito humano quer sempre mais e melhores peixes, de sorte que não dispensamos todas as possibilidades, quando então, estivemos pescando, tanto no Rio Suiá-Miçu, quanto em alguns afluentes como o Águas Claras e o Paranaíba, ademais de algumas baías que ainda permitiam acesso. Embora à primeira vista todos os locais do rio pareçam iguais e tinham tudo para prometer capturas, em razão do conhecimento, o guia Edinho parecia passar por um ponto bom para parar em um que para nós não tinha tanto atrativo, mas logo em seguida vinha a comprovação de que a parada tinha lá seu fundamento, nos dando bons peixes. É aí que entra o conhecimento do guia, proporcionando grande jornada ao pescador. Vejamos um pouco dos peixes capturados no rio. Um dia, entramos no Rio Paranaíba, que é um afluente de águas muito límpidas e rasas, que alaga uma enorme área antes de entrar no rio principal. Mesmo em épocas de seca, como agora, sempre é alagado por quilômetros antes de entrar no Suiá-miçu. É impressionante navegar por seus meandros, enquanto se observam cardumes a correr paralelamente ao barco, sobretudo raias, corimbas, bicudas e tucunarés. É uma bela experiência! Ali, em qualquer ponto de alguma profundidade, sobretudo onde hajam tranqueiras paradas na margem, há trairões! Basta apoitar nestes pontos e lançar iscas, nestes casos, quase sempre naturais, vez que arremessos são impossíveis. Não raro se pescam trairões no visual, quando se podem lançar as iscas praticamente “na cara” do peixe, mas ao menos nos momentos em que tentamos, recusaram jigs, acatando muito bem às naturais. A exemplo do ano passado, navegamos bastante, na verdade, muitos quilômetros Paranaíba adentro, até chegarmos em áreas que nos ofereceram muitos tucunarés e alguns trairões muito bons. De mesmo modo, subimos também o Rio Águas Claras, que tem um “comportamento” um pouco diferente do Paranaiba. Primeiro, apesar de ter quase o mesmo porte, não forma grande alagamento em sua foz, senão em época de cheia, para ficar encarcerado nas barrancas baixas. Segundo, suas águas, apesar de límpidas, têm a coloração escura tipo coca-cola, comum em muitos rios amazônicos. Ali também, com pouca navegação já se chega em pontos de pesca de trairões, bastando encontrar locais que ofereçam alguma profundidade com galhadas. Em razão de que é um rio pequeno, sem áreas alagadas, ali, a pesca se concentra na pesca de trairões com iscas naturais, sempre rendendo muitas capturas, inclusive vários dublês. Nos dias em que subimos para pescar no Rio Paranaíba, no Rio Águas Claras e nas baías lá da região mais alta, sempre rolou o tradicional churrasco na margem do rio, algo muito apreciável e inesquecível! Enquanto lá estávamos havia várias outras equipes pescando, resultando que ao final do dia sempre tínhamos boas estórias a contar e, sobretudo, a ouvir, ora de capturas de peixes de porte maior, ora de espécies que não buscamos pescar. Uma grande dupla que lá estava, os amigos Leonardo e Ricardo fizeram uma jornada bastante variada, dedicando-se a diferentes espécies, resultando com belíssimas fotos, que gentilmente nos cederam para compor a parte visual da matéria, de sorte que fica aqui, o agradecimento a estes valiosos companheiros! Como sempre, finalizar agradecendo ao Grande Euler Vieira, Caboclo Bão das Minas Gerais , que não mediu esforços no sentido de nos proporcionar tamanha jornada, agradecendo também ao amigo Edinho que nos assessorou durante toda a semana, favorecendo-nos para que tudo resultasse muito bem como resultou. Para melhor visualização do valoroso empreendimento de nosso amigo Euler, leia a matéria do ano anterior quando se poderá ver fotos da pousada e entender melhor a grandeza daquilo tudo. Para encerrar repito esta imagem que caracteriza a síntese do que é pescar em Família. Muito grato, meu Irmão Mário, Mano Véio de tantas jornadas! Muito grato, meu Sobrinho Mário Júnior! Agora, a esperar pela próxima no ano vindouro e tudo faremos para que possamos lá estar em um período diferente, quando a oferta de peixes estará também de forma diferente, mas com certeza, conforme já nos alertaram, sempre com abundância.
  17. 0 points
  18. 0 points
    Venho aqui com uma triste notícia, a pesca com mosca perde um de seus primeiros mestres, o senhor Nelson Borges faleceu. Muito o Fly Fishing brasileiro deve a esse homem que por mais difícil que pudesse ser, trouxe a modalidade para o Brasil. Que em nossa memória fique seus feitos e que também foram devidamente reconhecidos pela ABPM (Associação Brasileira de Pesca com Mosca). Descanse em Paz mestre e muito obrigado.

Parceiros: www.petsEXPERT.pt