Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 04-08-2019 in all areas

  1. 1 point
  2. 1 point
    Buenas pessoal, seis meses depois de encontrar os tucunarés pela primeira vez, resolvi voltar ao Tocantins, mas dessa vez a jornada foi meio frustrada, devido aos ventos que atrapalham muito a pescaria, dificultando a navegação e não deixando a água esquentar, limitando a pescaria a pequenos períodos, início da manhã e do meio pro final da tarde. Eu deveria ter esperado pra ir em janeiro, mas paguei pela ansiedade. Mas, mesmo assim, melhor dias ruins de pescaria do que dias bons de trabalho, seguem algumas fotos dos melhores peixes. Dessa vez não encontrei os azulões, mas saíram alguns amarelos e também achamos as corvinas. Valeu pelo descanso e pela primeira pescaria a bordo de um Bass boat. Fica a dica, não vale a pena ir entre junho e setembro. Destaque para duas iscas novas que levei, rapala x rap sr 10, rosa de barriga branca, garantiu metade das capturas, porém quase perdi o maior peixe da pescaria isso que era um azul de no máximo 40cm, mas que abriu a argola da garatéia, por sorte já dentro do barco (o guia havia me orientado a trocar, mas acabei esquecendo); e a Ocl spitifire 75, onde tive boas ações de superfície, mesmo com as más condições.
  3. 1 point
    Mesmo sabendo que as condições não eram favoráveis, partimos cedo pra dar uns pinchos e colocar a prosa em dia. Ponto de encontro na entrada da cidade. O primeiro do dia, isca de superfície. Muito vento, a saída foi insistir nos plugs de meia água e soft. Muitos tricks. Vitor, o mais novo membro da equipe. Atílio. Jackson. Todos fizeram boas capturas. Jackson no comando do rancho. Achei que era maior pela enxarutada. Wellinton. Os maiores exemplares do dia foram capturados pelo nosso amigo Rafael, com direito a 50Up. Mesmo não estando nas melhores condições, ainda foi um dia bastante agradável. Até a próxima ........
  4. 1 point
    Sensacional as belas imagens postadas e relatadas quando a aventura satisfaz o pescador, também sou um que libero meus hormônios emocionais quando a puxada na ponta da vara denota uma boa briga, combinando harmoniosamente com a moldura fotografada com o cenário vegetativo ensolarado e posteriormente divulgadas . Sei que já sabem o quanto critico as imundícies deixadas as margens aquáticas pelos nobres pescadores , que nem sempre todos estão exercendo o hobby , para serem pescadores esportivos. Sê unidos podemos melhorar nossos locais, afinal amanhã ao retornamos ao mesmo local...
  5. 1 point
    Valeu Roque, o Jackson vendeu o antigo, logo aparece com outro .
  6. 1 point
    Administrador de empresa!
  7. 1 point
    Parabéns galera ! Alexandre, Vitor, Wellington , Jackson, Atilio, ... Rafael belo troféu tão cobiçado...Epa! seis caiaqueiros na foto ...mas cinco caiaques na água.
  8. 1 point
    Desde sua fundação como fabricante de itens de fundição em Hiroshima em dezembro de 1943, a Ryobi Limited acumulou tecnologias inovadoras, fabricando componentes para automóveis, eletrônica, telecomunicações e outras indústrias. Em 1944, a Ryobi alavancou essas tecnologias e aproveitou sua experiência para diversificar, como fabricação de equipamentos de impressão, equipamentos de pesca, suprimentos de golfe, ferramentas elétricas e hardware para construtores. RYOBI, DAIWA e SHIMANO são as três principais marcas de equipamentos de pesca no Japão, envoltas por uma aura própria de admiração e respeito entre os amadores e profissionais Japoneses. Aparentemente, parece que a Ryobi entrou totalmente no mercado Norte Americano apenas em 1977. A Ryobi fabricou molinetes e carretilhas para outras empresas antes de 1977, sendo as mais bem sucedidas seus modelos feitos para a Zebco. O período de 12 anos de marketing Norte Americano da Ryobi viu passar 148 carretilhas e molinetes em aproximadamente 30 séries diferentes. Equipamento Ryobi foi vendido sob as marcas Zebco nos EUA, Ryobi na Europa, Jarvis Walker na Austrália e Tatlow & Wright em partes da América do Sul. Em algum momento de 1988, Ryobi vendeu ou de alguma forma licenciou seu negócio de equipamento de pesca para a Fintek, que era uma subsidiária da gigante da indústria de pesca Berkley. Nessa época parece que, infelizmente, o foco estava mais no preço do que na qualidade. Difícil dizer quando o relacionamento da Ryobi com a Fintek terminou, e a história dessa empresa e sua relação com o mercado Norte Americano ficou um tanto obscura. Em 2000, a empresa JOHSHUYA Co., o maior grupo de equipamentos de pesca japonês, recebeu a posse do setor de equipamentos de pesca da Ryobi. Em novembro de 2008, a empresa JOHSHUYA e a WEIHAI RYOBI INTERNATIONAL TRADING CO LTD entraram em um acordo em que a WEIHAI RYOBI INTERNATIONAL foi autorizada a fabricar, vender e operacionalizar produtos de pesca Ryobi em todo o mundo, com exceção do mercado japonês. Aqui, um ótimo exemplo dessa conceituada marca. Uma pequena carretilha Chinu Section EX 130, feita para o mercado Japonês exclusivamente. É bem pequena, como pode se ver na comparação com a xícara de café ao lado. De fato, é um equipamento feito especificamente para pesca da Brema Negra, embarcado ou em píeres. Mas claro que serviria para pescar uma enorme variedade de peixes, principalmente os peixes do Casqueiro. Como pode se ver na etiqueta de preço, isso custava apenas 5.380 ienes. Eu mesmo paguei por ela pouco mais de 25 reais em um leilão no Ebay, uma pechincha. Só que a Receita Federal não achou isso. Ao chegar no Brasil quiseram me cobrar mais de 200 reais em tributos de importação, na cara dura. Fiz um pedido formal de revisão de tributo no próprio site dos correios, anexando cópia eletrônica da página do Ebay como comprovante do valor pago, mostrando que de tão baixo nem deveria ser taxado. Depois de uma semana reconsideraram e me cobraram apenas aqueles 15 reais de entrega do correio. Neste País, se a gente não grita sai depenado. É bem pequena apesar de ser o maior tamanho da série, que também tinha o tamanho 80. Muito leve, quase nem se percebe o peso, apenas 150 g. Isso devido aos materiais usados, muito leves. Adoro esses pequenos detalhes na caixa. Esse destacável tem alguma utilidade como pode se ver no desenho e quando eu aprender japonês vou saber qual é. Carretel facilmente retirável. Facilita a troca quando se possui mais um de reserva e se quer trocar de linha rapidamente. Ou mesmo para fins de limpeza e lubrificação. Esse equipamento possui um freio diferente, com certeza adequado ao tipo de pesca a que se propõe. A fricção não funciona quando o click está ativo, apenas quando se o desativa. E a alavanca gira junto quando o carretel descarrega sob pressão da corrida do peixe. Um belo exemplar para uma coleção eclética.
  9. 1 point
    Legal esta postagem HU, historia é cultura , é conhecimento. tenho um conjunto de praia Zebco ... made in china via usa, ganhei de presente , qualquer dia atendo o convite da mana para descer a serra e poder batizar o conjunto.
  10. 1 point
    Hoje foi show, teve ate duble na isca do Vitor pena que a foto não ficou boa.
  11. 1 point
  12. 1 point
    De fato, a coisa está muito complicada! Se não houver ações mais impactantes que as que vêm sendo tomadas, sempre muito fracas em termos de solução e mais voltadas à questão eleitoreira, a tendência é ficar ainda pior. Contudo, há casos que merecem um pouco de crédito, como é a situação do nosso glorioso Rio Paraíba-do-Sul, aqui na minha região. Acompanhei muito de perto, através do Comitê de Águas do Vale do Paraíba, todos os trâmites e os contratempos para o início do processo de "despoluição" de nosso rio. Já vem década nisso, mas os primeiros resultados já começam a aparecer, de sorte que é um projeto ao qual se deve dar um pouco de crédito, ao menos para a parte do Alto Paraíba. Então, o que se vislumbra é que o futuro pode não vir a ser tão sombrio como se aventa, mas até promissor caso outros projetos venham na mesma linha do Paraíba-do-Sul.
  13. 1 point
    Última vaga preenchida, grupo formado. Agora é pescar e fazer aqui o relato dessa pescaria.
  14. 1 point
    Mais fácil ainda. Mas certamente reservo alguns dias em minha jornada a Patagônia para pescar de Fly.
  15. 1 point
    Quando pesco com plugs (que tem garateias) não confirmo porque dificilmente as fisgadas das garateias são profundas, ficam mais na parte mole interna e externa da boca da traíra, então a confirmação mais tira a isca da boca que ajuda. Mas no caso de softs, quando se usa um único anzol, as fisgadas são profundas, pegando na parte óssea da boca da traíra, além do mais, o anzol que está meio escondido no silicone (pontinha mínima para fora para evitar enrosco) precisa varar de verdade...então confirmo sim...uma ou duas vezes. Mas como disse os amigos, perder traíra é algo comum...tem dia que não perco uma e tem dias que desanima...perco a maioria...enfim é aquela máxima...dia do peixe...dia do pescador.
  16. 0 points
    Pô, só eu achei bacana ?

Parceiros: www.petsEXPERT.pt