Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'hoplias'.



More search options

  • Search By Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Search By Author

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Pesca
    • Bate Papo (novo)
    • Pesca em Geral
    • Relatos de Pescarias
    • Materiais e Equipamentos para Pesca
    • Trabalhos Manuais / Bricolagem
    • Avaliações,Testes e Lançamentos
    • Água Salgada
    • Pesca de Praia
    • Caiaque
    • Pesque & Pague
    • Espécies
    • Flyfishing
    • Legislação
  • Parceiros
    • Pousada Rio Suiá-Miçu
    • Bahia Sportfishing
  • Regionais
    • Pesca em Santa Catarina
  • Diversos
    • Termos e Regras
    • Dúvidas, Críticas, Dicas, Opiniões e Sugestões sobre o Pescaki
    • Café Pescaki
    • Ecologia e Ambientalismo, Ictiologia, Zoologia, Aquarismo, Botânica, etc.
    • Agenda Pescaki
    • Fotografia
    • Náutica e Técnicas de Navegação
    • Carabinas de Ar Comprimido
    • Classificados
    • "Causos" de Pescarias e Outros Textos
    • Gastronomia
    • Tecnologia

Find results in...

Find results that contain...


Data de Criação

  • Início

    End


Data de Atualização

  • Início

    End


Filter by number of...

Data de Registro

  • Início

    End


Grupo


MSN


Skype


Website URL


Localização


UF


Interesses Pessoais


Nome Real


Sobrenome


Estilo de Pesca

Encontrado 2 registros

  1. Ricardo Valim

    Fotos de Traíras 2018

    O tradicional post na sessão das traíras não pode faltar em 2018! Borá que já tem Hoplias fisgada, fotografada e solta. Poste a sua também
  2. Nilson Miranda..

    Pesque e Pague das Traíras: Gabardo-RS.

    Olá meus amigos! Como vão vocês? Dessa vez eu trago o relato de uma pescaria bem divertida, que, para mim, foi a primeira experiência. No domingo, 16 de setembro de 2018, eu estava no Rio Grande do Sul, a fim de participar da confraternização dos PESCADORES URBANOS e, é claro, pescar. Logo cedo, pela manhã, o presidente do grupo passou onde eu estava hospedado com mais dois amigos e componentes do mesmo, para me dar as boas-vindas pelo regresso e levar de carona ao local onde todos iriam se reunir. Logo que terminei o desjejum, peguei as minhas tralhas e partimos. Chegando ao local de destino, encontramos outros grandes amigos com os quais mantenho contato pelo Facebook. Então passamos a um breve workshop, onde fui orientado a começar a pescar utilizando grubs em anzóis lastreados e/ou com spinners. Logo iniciamos a pescaria de traíras, pois até aquele momento eu jamais havia pescado uma e lá fomos nós atrás das bocudas. À medida que o sol ia saindo, o clima foi esquentando. Cheguei a sentir calor em determinado momento. Creio que era psicológico, mas era sinal de que tudo cooperava para que os peixes ficassem bem ativos. Passados alguns minutos, a linha de um amigo esticou, uma briga iniciava e eu fiquei atento ao que ele iria fazer, notei que ele era bem rápido em retirar o peixe da água e cauteloso ao sacar o anzol de sua boca. Observei a tudo com a atenção de um aluno e fui em busca da minha sorte. Alguns minutos depois, o meu amigo e presidente elegeu, para mim, um padrinho, aliás, que era um outro amigo querido e com ele fui para mais adiante seguindo cegamente as suas orientações. Eu usava um grub de silicone na cor de refrigerante de cola, em um anzol monster 3x offset lastreado EWG 3/0, que eu arremessava a uns cinco metros do barranco e vinha recolhendo lenta e continuamente. Por causa do hábito de pescar com plugs, eu dava pequenos toques de ponta de vara. O sol ia subindo e a água estava barrenta, quando eu senti um tremor na isca. Sem saber o que era, não puxei e comentei com meu instrutor que me disse para deixar passar uns 2 segundos desse tremor e fisgar com vontade. Dito isso, recomecei e, alguns segundos depois, naquele mesmo lugar onde ocorreu o tremor, eu senti de novo, contei: um, dois, três e ... VAPUT!!!!! Era peixe na fisga sem moleza e logo reboquei para fora da água, era a minha primeira traíra, uma “trairaça” com a qual tirei uma bela foto e devolvi prontamente para o seu habitat. Depois disso, ainda tive mais três ou quatro experiências produtivas iguais a essa nas iscas soft. Na parte da tarde, notei que os ataques eram mais manhosos. Daí resolvi mudar de estratégia: passei a usar a isca artificial borboleta lelé, de sub-superfície (twitch bait), e flutuante (floating), para trazer de volta a emoção das fisgadas. Logo de cara, arremessei a uns sete metros e vim com toques de ponta de vara bem sutis e firmes. Logo essa isca foi encharutada pela dentuça, que abocanhou e correu como louca para um tronco: QUE-PAU-LAAAAA-DAAAAAAA!!!!! Prontamente reboquei a traíra, que era das grandes, e cumpri o ritual do fotografar e soltar. Depois de uns minutos, repeti a proeza e outra traíra enorme “encharutava” a isca, eram uma seguida da outra, às vezes mal dava tempo de trabalhar a lelé, que se mostrou uma isca muito produtiva para este tipo de pescaria. A tarde ia passando e os sucessivos ataques não paravam, algumas vezes eu perdia a fisgada, mas percebia que a isca era atacada com voracidade. Assim segui até o pôr-do-sol no fim da tarde, quando começou a esfriar e os ataques diminuíram bastante. Mas a garantia de muitas fisgadas e o reboque das hoplias malabaricus eu cumpri com muito êxito. Bem, amigos, esse foi mais um breve relato de uma pescaria que entrou para a minha história e me deu muitas alegrias. Espero poder em breve voltar com novos relatos de pescaria emocionantes como essa, Um forte abraço e boas pescarias a todos!

Parceiros: www.petsEXPERT.pt