Recommended Posts

Olá, tentarei aqui imprimir minhas dicas, sugestões, conselhos e demais informações sobre a pescaria de "Tamba" em pesqueiro utilizando Fly. Todo o conteúdo foi elaborado com base nas minhas pescarias e estudos na mesa de atado. Por favor sintam-se à vontade para sugerir correção de alguns trechos ou acréscimo de informações.

1. INTRODUÇÃO

A pescaria de tambaqui tem revolucionado a forma de se enxergar os pesqueiros no Brasil inteiro, por ser um peixe extremamente resistente, de crescimento incrivelmente rápido, bastante adaptável ao meio e alimentação, amistoso com outras espécies e possuidor de uma força colossal, proporcionando brigas muitas vezes inesquecíveis aos pescadores esportivos. É possível pescá-lo com diversos equipamentos, mas sem dúvidas o mais eficiente é o fly, que inclusive proporciona as brigas mais emocionantes. 

Sem mais delongas, vamos dar continuidade ao tópico:

2. EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS:

É um assunto bastante divergente, pois há pescadores que utilizam conjunto #4 para tambas de mais de 10Kg, outros preferem conjuntos #8 ou #9 para tambas do mesmo tamanho. 

A verdade é que quando se trata de pesqueiro, alguns fatores influenciam no peso do conjunto a ser utilizado:

1) O local é grande o bastante para que o peixe leve toda a sua linha principal + backing? Se sim, não recomendo um conjunto muito leve como #4, pois tambaquis grandes não cansam fácil, e poucos segundos após o ataque, seu backing já está na água. 

2) Outros pescadores estarão próximos a você, com equipamentos de outras modalidades? Se sim, talvez não queira um equipamento tão leve como um #4, pois torna-se difícil controlar a direção do nado do peixe com equipamentos leves, podendo enroscar nas linhas dos demais pescadores.

3) Quais atados pretende utilizar? Entrarei melhor no assunto mais adiante, mas por agora é importante deixar claro que em alguns pesqueiros o tambaqui está acostumado a comer rações ou frutos maiores, o que lhe obrigará a utilizar um equipamento #6 ou #7 pelo menos, para conseguir fazer arremessos mais longos sem sobrecarregar o conjunto. 

Ao meu ver, essas são as principais perguntas a serem respondidas enquanto escolhe seu equipamento. 

Equipamentos #4 podem ser usados pelos mosqueiros mais radicais, de preferência em tanques menores e sem muitos pescadores de outras modalidade por perto. Caso ignore essas recomendações, poderá ter dor de cabeça quando engatar um tamba de mais de 10Kg! 

Equipamentos #6 podem ser utilizados com mais segurança, até mesmo em tanques maiores, mas é importante ter pelo menos 50 metros de backing de 20 a 30lbs e garantir que não vai deixar o peixe enroscar nas linhas dos demais pescadores. Com conjunto #6, a adrenalina tomará conta de você em cada ataque, esteja preparado para grandes emoções!

Equipamentos #7/8 são bem equilibrados para essa pescaria, é uma opção segura tanto para mosqueiros iniciantes quanto para mosqueiros já com anos de experiência. Essa numeração permite que arremesse iscas maiores e mais volumosas, que provavelmente chamarão a atenção dos peixes de porte maior. Permitirá também que tenha certo controle da briga, impedindo que o peixe enrosque nas linhas próximas ou que leve todo seu backing embora. 

Equipamentos acima de #9 podem ser usados, encurtará o tempo de briga com o peixe, mas podem ser pesados demais, fazendo com que não sinta toda a emoção da briga com um tamba gigante. 

Portanto, as escolhas mais sensatas ao meu ver são equipamentos entre #6 e #8, com varas e linhas de boa qualidade, carretilhas também, pois precisará de um freio muito bom. Caso utilize carretilhas ruins, o freio poderá desregular (afrouxar) durante a briga, fazendo com que perca o peixe. 

2.1 CARACTERÍSTICAS RECOMENDADAS PARA A VARA

A vara escolhida, independente da numeração, deverá ser resistente e de ação rápida ou pelo menos média-rápida. Portanto, varas de bambu ou fibra de vidro lentas não são as melhores opções, pois elas dificultam a "fisgada", o controle da direção do nado do peixe durante a briga (fazendo com que a linha passe pela dentição do peixe mais vezes, sob risco de ruptura) e podem dificultar o arremesso dependendo da isca a ser utilizada. 

O comprimento da vara não é fator decisivo para a escolha do conjunto, mas tenha em mente que varas mais compridas permitem um roll-cast mais distante. Isso significa que se o pesqueiro não possuir espaço livre para fazer false casts, você ficará refém de bons roll-casts para conseguir arremessar onde os tambas gostam de ficar. 

Número de partes da vara, material do cabo e número de passadores também não influenciarão nesse tipo de pescaria. 

2.2 A LINHA DE FLY RECOMENDADA

Sempre recomendo levar 2 conjuntos, ou um conjunto com 2 carreteis, um deles com linha flutuante e o outro com linha intermediária ou sink tip. Isso porque os peixes nem sempre estão se alimentando na superfície, e é sempre uma incógnita para nós a profundidade na qual ocorrerão mais ações, mesmo com várias discussões que relacionam o tempo, condições da água ou até mesmo fase da lua com o comportamento dos peixes. 

Caso não possua 2 equipamentos para levar, ou opte por levar apenas um por qualquer que seja o motivo, então eu sugiro que leve linha flutuante, pois a maioria dos pesqueiros fazem uso de ração flutuante para tratar dos peixes. Assim, mesmo com linha flutuante, poderá aumentar o comprimento do leader se quiser que uma ração de miçanga por exemplo fique um pouco mais no fundo. 

A linha precisa ser adequada à temperatura do ambiente na qual ela será utilizada, sempre. Portanto, certifique-se de que sua linha aguenta temperaturas altas caso na sua região faça muito calor como na minha. Uma linha de clima frio para regiões de tempo quente pode significar perda de eficiência na pescaria, pois a linha pode ficar grudenta ou mole demais, prendendo-se aos passadores e impossibilitando que a linha se desenrole corretamente nos seus roll-casts. 

2.3 A CARRETILHA

A carretilha precisa de 2 qualidades: capacidade de armazenar linha + 50m de backing pelo menos; e possuir um bom freio, que não vai desregular ao longo da pescaria ou durante as longas brigas dos tambaquis. 

Uma dica é utilizar carretilha de numeração maior do que a numeração da vara/linha. Há puritanos que torcem o nariz para essa prática, mas eu a defendo, pois gosto sempre de ter bastante backing a minha disposição e um espaço de pelo menos 1 dedo entre a linha e o chassi da carretilha. 

2.4 A FRICÇÃO DA CARRETILHA

É importante regular bem a carretilha antes de iniciar a pescaria, pois ajustes durante a briga podem afrouxar a linha e fazer com que perca o peixe. 

Independente do número do equipamento que estiver utilizando, recomendo manter a fricção apenas levemente apertada. Uma fricção muito apertada pode submeter a vara a estresse maior do que o recomendado e pode manter seu tippet muito tensionado, facilitando sua ruptura. 

Durante a briga, o tambaqui mastiga a linha algumas vezes, mas ele só possui dentes na frente, e enquanto a linha estiver nas regiões sem dentição, a sua linha não será cortada... A menos que ela esteja muito tensionada. 

Portanto, mantenha a fricção no ponto certo: nem muito solta a ponto de permitir que o carretel gire mais rápido que a saída de linha (causando um tipo de "cabeleira"). Nem muito apertada a ponto de causar danos à vara ou submeter o tippet a grandes tensões, que facilitam sua ruptura. 

4. COMPRIMENTO DO LEADER

Varia de acordo com o gosto do pescador (eu gosto de leader curto, bem curto, algo entre 1,7 e 2m)

Alguns mosqueiros utilizam leader de 3 metros, ou do mesmo tamanho da vara, sem prejuízo algum de efetividade ou apresentação da isca. 

Um leader muito longo exige muito mais energia oriunda da movimentação da vara e linha para que a apresentação seja correta.  Caso utilize um leader muito longo com uma isca pesada, com certeza sua isca vai pousar na água com o tippet alguns centímetros à frente, o que pode espantar os tambas mais ariscos. A energia do arremesso se dissipa conforme há mudança no diâmetro das linhas que compõem o leader. Na verdade, boa parte da energia é dissipada na conexão da linha de fly com o leader. Portanto, se o seu leader não estiver se esticando ao fazer a apresentação da isca, encurte-o, pois é sinal de que a energia se dissipou por completo antes de chegar até o tippet. 

Um leader muito curto, por outro lado, torna a apresentação grosseira, pois há muita energia ainda percorrendo o leader e tippet, e essa energia toda faz com que a isca cause barulho e agitação na água, podendo espantar tambaquis mais ariscos. 

Via de regra, leaders de 2 a 3 metros costumam ser os mais utilizados, no caso de dúvida, faça um de 2,4m. 

Como existem diversas receitas de leaders envolvendo diversas bitolas de linhas, vai muito do seu gosto montar o seu leader, mas a minha receita é a seguinte:

120cm de linha fluorcabono 0,55mm (com os primeiros 40cm trançados)

60 cm de linha fluorcarbono 0,40mm (com os primeiros 20cm trançados)

+ 20cm de tippet também fluor 0,40mm 

5. TIPPET

O tippet para a pescaria de tambaqui em pesqueiro não precisa ser fino, pois o tambaqui não possui visão tão fina quanto de uma piraputanga por exemplo. Eu costumo utilizar tippet de fluorcarbono 0,40mm. Pode usar tippet mais fino, apesar de eu não recomendar mais fino que 0,35 para tamba. E pode usar tippet mais grosso, apesar de eu não recomendar bitola acima de 0,60mm pois pode atrapalhar na apresentação e pode deixar o peixe desconfiado. 

6. O ARREMESSO

O arremesso em pesqueiro é relativamente fácil de ser executado, salvo quando há muito vento. As opções de arremesso são limitadas, não há o que complicar quando se trata de pescaria de tambaqui em pesqueiro com fly.

O roll-cast é o arremesso mais utilizado, permite colocar a isca com delicadeza, facilidade e agilidade. Se utilizar linha pesada e vara de qualidade, é possível colocar a isca até 15 ou 20 metros de distância com um ou dois roll-casts.

False cast é utilizado para arremessos mais precisos, não necessariamente mais longos, mas exige um local com bom espaço livre atrás do mosqueiro, o que é difícil em alguns pesqueiros.

E o Belgian Cast é utilizado em situações de vento, com as mesmas vantagens e desvantagens do false cast comum.

Dominando esses arremessos é possível fazer praticamente todo tipo de pescaria, incluindo a de tambaqui em pesqueiros.

7. OS ATADOS

Sem dúvidas a isca mais utilizada em pesqueiros para tambaqui é a imitação de ração feita com pelo (hair ball). Mas existem outras opções também efetivas as quais abordarei neste momento:

 59c5252ddeb8f_FullSizeRender(2).thumb.jpg.c919a88766ff97e3635f7a4ef9b77615.jpg

1)      Hair ball atada com Deer Body Hair, Deer Belly Hair ou Elk Hair: imita a ração utilizada na maioria dos pesqueiros. É uma isca flutuante, que encharca com o tempo e tem sua flutuabilidade reduzida ao longo da pescaria. Quanto mais compactados os pelos, maior a flutuabilidade. Sabendo disso, pode-se atar algumas bem compactadas e outras menos compactadas para que se possa manipular a apresentação da ração. Hair ball menos compactadas são boas para quando o peixe está manhoso, quando a água está bem limpa e o pescador contra o sol. Pode ser atada em uma ampla gama de anzóis, mas um modelo bastante utilizado atualmente é o Pacu, da Pinneacle, em tamanho 1/0 para iscas menores ou arremessos com conjuntos #6 e o tamanho 2/0 para conjunto #8 e iscas maiores. Pode-se utilizar o famoso Chinu, nos tamanhos entre #7 e 9 ou 2/0 até 3/0 dependendo da marca escolhida.

2)      Imitação de ração com rolha, cortiça, EVA ou material similar: imitação de ração feita com rolha. É simples, porém menos realista e mais fácil de ser recusada pelos tambas em dias manhosos, pois o anzol fica a mostra e em alguns casos é possível ver a aproximação do peixe com consequente desinteresse após observar o anzol. Há solução, colocando um pequeno pedaço de chumbo na rolha na extremidade contrária à que se encontra a ponta do anzol, fazendo com que ao cair na água, o anzol fique voltado para cima. A desvantagem desse método é que o peixe pode engolir a isca com mais facilidade. Os mesmos anzóis descritos acima podem ser utilizados.

3)      Imitação de frutos com hairball: imitação de alguns frutos feitos com Deer Body Hair. A cor da isca vai depender da época em que se está pescando. A decisão da cor no momento da pescaria depende da observação do pescador, inclusive para determinar o material com que será atada a isca, uma vez que alguns frutos boiam ao cair na água (daí o emprego do Deer Hair), enquanto outras afundam, como os coquinhos (daí o emprego de “lã ball”, miçangas, cactos chenille, craft fur e outros materiais que afundam).

4)      Imitação de ração, massinha, pão ou frutos com lã, chenille,  craft fur e outros materiais que afundam: atados que irão afundar vagarosamente imitando algum alimento que o peixe esteja comendo naquela época do ano. É uma isca que necessita de maior dinâmica, isto é, mais arremessos, pois o peixe costuma pegar na caída dela na água. Portanto: arremessou, esperou afundar 5 ou 10 segundos, não bateu? Faça um roll cast seguido de um novo arremesso. Em alguns casos pode-se lastrear o anzol para aumentar a taxa de afundamento da isca ao cair na água.

5)      As polêmicas miçangas: Existem inúmeros modelos, algumas nas cores café com leite, outras que nem parecem ração (bola de futebol miniatura, bola de basquete miniatura)... Enfim, a variedade é enorme. Alguns flytistas mais puritanos não consideram as miçangas como atados próprios para a modalidade de fly, e realmente não são, uma vez que podem ser utilizados em outras modalidades. No entanto, os tambaquis gostam, e muitos outros mosqueiros as utilizam com grande sucesso. Pode-se utilizar a miçanga sozinha ou em par no anzol, ou associadas a um EVA boleado para manter a miçanga logo abaixo da superfície. São iscas que estragam com facilidade quando recebem dentadas de pacus, tambaquis, pirapitingas e outros peixes, então se for utilizar miçangas, leve sempre algumas a mais para repor as quebradas.

Outras iscas: há quem tenha sucesso na pescaria de tambaqui utilizando streamers como “micro-minnow”, Woolly buggers, ninfas e até imitações de insetos. Depende muito do pesqueiro e do hábito alimentar do peixe, da disposição de alimentos diferentes da ração no tanque e até da quantidade de vezes que os peixes são alimentados diariamente ou semanalmente, pois quando famintos, podem atacar algo que nunca comeram antes.

O trabalho dessas iscas é bastante variável de acordo com as condições climáticas, cor de água, comportamento dos peixes naquele momento, temperatura da água, etc. Via de regra, peixes de pesqueiros são sedentários, e preferem iscas com trabalho lento.

O uso de sinalizadores de fisgada:

Eu conheço 2 tipos de sinalozadores utilizados em pesqueiros:

1)Rodelas de EVA de cor vibrante na parte superior da isca

2)Pequeno EVA boleado ou mecha de pelo de cor vibrante no meio do leader

Facilitam muito a identificação do ataque em meio às rações lançadas na água, mas podem assustar os peixes mais manhosos. Particularmente prefiro não usar sinalizadores, mas em dias de muito sol em que o reflexo na água ofusca a visão, sou obrigado a utilizá-los para não perder a ação.

8. TÉCNICA DE PESCA E A “FISGADA”

As técnicas de pesca em pesqueiros são limitadas, fato que faz com que alguns pescadores não tenham apreço pela pescaria em pesqueiros.

De longe a técnica mais utilizada consiste em jogar um punhado de ração na água e a sua isca no meio, e aguardar o ataque. Pode-se fazer o contrário, arremessando primeiro a isca e as rações em seguida.

A respeito desta técnica tenho algumas observações a fazer, que podem melhorar o seu desempenho na pescaria:

I)                   Quanto de ração jogar? Bem, não adianta jogar um saco inteiro de ração na água, pois o peixe provavelmente ficará “de barriga cheia” antes de encontrar sua isca. E não adianta jogar algumas poucas unidades de ração ou jogar uma por uma como se estivesse alimentando galinhas, pois o peixe possui memória associativa e condicionamento operante, isso significa que ao longo de sua vida, aprendeu que o seu alimento cai na água de forma similar todos os dias, passando então a associar o som ou a movimentação na superfície da água ao momento de se alimentar. Deve-se, portanto, fazer com que as rações caiam na água ao mesmo tempo, sem se espalhar muito, pois isso gera um som bastante fácil de ser identificado pelo peixe. Então não tem erro, nem o que inventar. Algumas ferramentas ajudam nessa tarefa, como as colheres de arremesso de ração e os estilingues, ambos à venda em lojas de pesca.

Observe também se o dono do pesqueiro ou o responsável por alimentar os peixes realiza algum “ritual” antes de alimentá-los. Esse “ritual” pode ser chacoalhar a mão na água, gerando som facilmente percebido pelos peixes, ou bater na água com uma vara de bambu, muito comum até mesmo em rios na pescaria de pacus e pintados por exemplo. Mas certifique-se de que isso é realmente utilizado no pesqueiro em que esteja pescando, caso contrário pode espantar os tambaquis e ainda ficar marcado no pesqueiro como doido.

 

II)                Pescar de “espera” ou de “batida”? Quando se emprega essa técnica de pesca, talvez surja a dúvida entre arremessar a sua isca no meio da ração e esperar o ataque por vários minutos, ou arremessar a isca várias vezes, como na pescaria com as imitações de frutos caindo na água... Bem, pela minha experiência os melhores resultados são obtidos na pescaria de “espera” e observação. Observação que eu digo é averiguar onde os peixes maiores estão se alimentando. Eles podem estar se alimentando bem no centro de onde jogou as rações, ou nas periferias. Cabe então ao pescador observar o comportamento dos tambas naquele momento e colocar sua isca na posição mais estratégica, resistindo à tentação de tirar a isca de um lugar aparentemente parado e arremessar em outro ponto onde um tamba gigante acabou de bater.

 

A “FISGADA”, é a ação que mais faz o mosqueiro iniciante perder troféus. Para quem leu este texto enorme até agora, percebeu que em todos os momentos coloquei a “fisgada” entre aspas, propositalmente. É vício adquirido na modalidade de bait, o de fisgar o peixe, puxando com força e firmeza a vara para trás, quase que “arrancando a boca do bicho” em alguns casos.

Na pescaria de tambaqui com fly em pesqueiros, deve-se evitar fisgadas, por 2 motivos:

1)Não há necessidade... A própria mordida do peixe faz com que o anzol perfure as estruturas mais moles da boca.

2)A fisgada causa ruptura do tippet... Então já sabe que a próxima vez que fisgar e estourar a linha, não adianta dizer “era tão grande que levou tudo...”, pois mesmo com um peixe pequeno o tippet pode estourar durante a fisgada.

- O que fazer então, quando o peixe atacar a isca?

No caso da pescaria de tamba em pesqueiro utilizando imitação de ração, o que eu gosto de fazer é apenas firmar a vara e esperar a corrida do peixe. Quando ele iniciar a corrida, deixo levar os primeiros centímetros de linha e vou aumentando a pressão na linha gradativamente, até que eu tenha o controle da situação. Dessa forma, o anzol penetrará nas estruturas ósseas da boca do peixe e o tippet vai aguentar a tensão da arrancada do tamba.

9. DURANTE A BRIGA

A briga com alguns tambaquis parece um verdadeiro cabo de guerra, você puxando de um lado quando ele “cansa”, e ele levando toda sua linha quando recupera o fôlego.

A briga é a parte mais difícil da pescaria, pois deve-se prestar muita atenção nos movimentos do peixe, imaginando o tempo todo por onde o tippet está passando na boca dele. Quando o peixe está nadando em uma linha horizontal, vamos supor que para a direção esquerda, eu gosto de inclinar a ponta da vara também para a esquerda. Movimentar a vara para os lados nem sempre é a melhor opção, então não tentarei criar “regrinhas” de posicionamento de acordo com o nado do peixe. Mas há uma dica importante acerca da briga com o peixe: nunca tente quebrar o nado do tambaqui como fazemos na pescaria de tucunaré. Caso tente domar a fera na brutalidade, terá um tippet estourado ou um anzol aberto.

10. DICAS

1)Cheque sempre sua linha em busca de nós de vento (Wind knots) no seu tippet. Os nós são causados por arremessos errados, ou com atraso no tempo ou com movimentos muito rápidos sem dar o tempo certo para a linha desenrolar no false cast. Ventos repentinos podem causar esses nós no tippet também. E cada nó no tippet reduz em 50% a resistência do tippet. Não inventei esses dados, a RIO publicou um vídeo no youtube mostrando exatamente isso, deixarei o link do vídeo logo abaixo.

2)Após cada “fisgada”, verifique a integridade do tippet próximo ao anzol, bem como fazemos na pescaria de tucunarés ou robalos.

3)Mantenha-se de costas para o sol. Assim o peixe vai enxergar apenas sua silhueta, confundindo-o com um galho ou qualquer outra coisa. Ficar de frente para o sol ressalta o brilho de sua pele, carretilha, vara, óculos e vestimenta, assustando os peixes mais próximos.

4)Amasse as fisgas dos anzóis. Para todas as pescarias, em todas as iscas... Assim machucará menos o peixe, facilitará a entrada do anzol em estruturas ósseas, agilizará a manipulação do peixe quando este chegar à margem e evitará a necessidade de procedimentos cirúrgicos caso o anzol entre em você ou em seus parceiros de pesca.

5)Cuidado com o boga grip, ou alicates pega-peixe, pois a boca do tambaqui é compacta. Quem nunca viu um boga grip varar a boca de alguns peixes? Pois bem, vamos evitar danos ao peixe, pois sem ele o nosso amado esporte não existiria...

Grande Abraço!

 

 https://www.youtube.com/watch?v=v5LcB-1gjzo&t=8s

 

  • Like 1
  • Thanks 5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grande Eduardo,

Parabéns pelo ótimo texto, um verdadeiro tratado no assunto! :bs-aplauder: 

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Texto notável. Extremamente instrutivo. :joia:

  • Thanks 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

:):):)

Ola Eduardo,

Parabéns pelo trabalho extenso e muito bem elaborado, praticamente um tratado sobre esta modalidade de pesca destes peixes formidáveis e combativos.

Gostei das observações e alerta sobre o uso do boga grip.

Sempre tive preocupação sobre o manuseio desses grandes peixes, mas hoje me alegro em constatar que a quase totalidade dos pesqueiros oferecem passaguás apropriados e tapetes para pesagem.

Em minha região não contamos com bons pesqueiros, mas quando tiver a oportunidade de ir em busca desses submarinos, saberei onde buscar as informações.

 Obrigado por compartilhar tuas experiências e conhecimentos.

Grande abraço

 Odimir

  • Thanks 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
22 horas atrás, Domingos Bomediano disse:

Grande Eduardo,

Parabéns pelo ótimo texto, um verdadeiro tratado no assunto! :bs-aplauder: 

Muito obrigado Domingos! 

20 horas atrás, Mauricio. disse:

Texto notável. Extremamente instrutivo. :joia:

Fico feliz pelos elogios, obrigado! 

9 horas atrás, Odimir disse:

:):):)

Ola Eduardo,

Parabéns pelo trabalho extenso e muito bem elaborado, praticamente um tratado sobre esta modalidade de pesca destes peixes formidáveis e combativos.

Gostei das observações e alerta sobre o uso do boga grip.

Sempre tive preocupação sobre o manuseio desses grandes peixes, mas hoje me alegro em constatar que a quase totalidade dos pesqueiros oferecem passaguás apropriados e tapetes para pesagem.

Em minha região não contamos com bons pesqueiros, mas quando tiver a oportunidade de ir em busca desses submarinos, saberei onde buscar as informações.

 Obrigado por compartilhar tuas experiências e conhecimentos.

Grande abraço

 Odimir

Muito obrigado Odimir, realmente houve certo avanço na questão do manejo de peixes em pesqueiros, o que é ótimo! 
Abraço. 

  • Like 1
  • Thanks 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 Tópico muito bem detalhado :joia::joia:

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns , excelente tópico.

Legal se o Tópico ficasse fixo , muito bem detalhado.

Abraço.:ok:

 

 

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 14/08/2017 at 02:10, Eduardo Bacha disse:

Olá, tentarei aqui imprimir minhas dicas, sugestões, conselhos e demais informações sobre a pescaria de "Tamba" em pesqueiro utilizando Fly. Todo o conteúdo foi elaborado com base nas minhas pescarias e estudos na mesa de atado. Por favor sintam-se à vontade para sugerir correção de alguns trechos ou acréscimo de informações.

1. INTRODUÇÃO

A pescaria de tambaqui tem revolucionado a forma de se enxergar os pesqueiros no Brasil inteiro, por ser um peixe extremamente resistente, de crescimento incrivelmente rápido, bastante adaptável ao meio e alimentação, amistoso com outras espécies e possuidor de uma força colossal, proporcionando brigas muitas vezes inesquecíveis aos pescadores esportivos. É possível pescá-lo com diversos equipamentos, mas sem dúvidas o mais eficiente é o fly, que inclusive proporciona as brigas mais emocionantes. 

Sem mais delongas, vamos dar continuidade ao tópico:

2. EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS:

É um assunto bastante divergente, pois há pescadores que utilizam conjunto #4 para tambas de mais de 10Kg, outros preferem conjuntos #8 ou #9 para tambas do mesmo tamanho. 

A verdade é que quando se trata de pesqueiro, alguns fatores influenciam no peso do conjunto a ser utilizado:

1) O local é grande o bastante para que o peixe leve toda a sua linha principal + backing? Se sim, não recomendo um conjunto muito leve como #4, pois tambaquis grandes não cansam fácil, e poucos segundos após o ataque, seu backing já está na água. 

2) Outros pescadores estarão próximos a você, com equipamentos de outras modalidades? Se sim, talvez não queira um equipamento tão leve como um #4, pois torna-se difícil controlar a direção do nado do peixe com equipamentos leves, podendo enroscar nas linhas dos demais pescadores.

3) Quais atados pretende utilizar? Entrarei melhor no assunto mais adiante, mas por agora é importante deixar claro que em alguns pesqueiros o tambaqui está acostumado a comer rações ou frutos maiores, o que lhe obrigará a utilizar um equipamento #6 ou #7 pelo menos, para conseguir fazer arremessos mais longos sem sobrecarregar o conjunto. 

Ao meu ver, essas são as principais perguntas a serem respondidas enquanto escolhe seu equipamento. 

Equipamentos #4 podem ser usados pelos mosqueiros mais radicais, de preferência em tanques menores e sem muitos pescadores de outras modalidade por perto. Caso ignore essas recomendações, poderá ter dor de cabeça quando engatar um tamba de mais de 10Kg! 

Equipamentos #6 podem ser utilizados com mais segurança, até mesmo em tanques maiores, mas é importante ter pelo menos 50 metros de backing de 20 a 30lbs e garantir que não vai deixar o peixe enroscar nas linhas dos demais pescadores. Com conjunto #6, a adrenalina tomará conta de você em cada ataque, esteja preparado para grandes emoções!

Equipamentos #7/8 são bem equilibrados para essa pescaria, é uma opção segura tanto para mosqueiros iniciantes quanto para mosqueiros já com anos de experiência. Essa numeração permite que arremesse iscas maiores e mais volumosas, que provavelmente chamarão a atenção dos peixes de porte maior. Permitirá também que tenha certo controle da briga, impedindo que o peixe enrosque nas linhas próximas ou que leve todo seu backing embora. 

Equipamentos acima de #9 podem ser usados, encurtará o tempo de briga com o peixe, mas podem ser pesados demais, fazendo com que não sinta toda a emoção da briga com um tamba gigante. 

Portanto, as escolhas mais sensatas ao meu ver são equipamentos entre #6 e #8, com varas e linhas de boa qualidade, carretilhas também, pois precisará de um freio muito bom. Caso utilize carretilhas ruins, o freio poderá desregular (afrouxar) durante a briga, fazendo com que perca o peixe. 

2.1 CARACTERÍSTICAS RECOMENDADAS PARA A VARA

A vara escolhida, independente da numeração, deverá ser resistente e de ação rápida ou pelo menos média-rápida. Portanto, varas de bambu ou fibra de vidro lentas não são as melhores opções, pois elas dificultam a "fisgada", o controle da direção do nado do peixe durante a briga (fazendo com que a linha passe pela dentição do peixe mais vezes, sob risco de ruptura) e podem dificultar o arremesso dependendo da isca a ser utilizada. 

O comprimento da vara não é fator decisivo para a escolha do conjunto, mas tenha em mente que varas mais compridas permitem um roll-cast mais distante. Isso significa que se o pesqueiro não possuir espaço livre para fazer false casts, você ficará refém de bons roll-casts para conseguir arremessar onde os tambas gostam de ficar. 

Número de partes da vara, material do cabo e número de passadores também não influenciarão nesse tipo de pescaria. 

2.2 A LINHA DE FLY RECOMENDADA

Sempre recomendo levar 2 conjuntos, ou um conjunto com 2 carreteis, um deles com linha flutuante e o outro com linha intermediária ou sink tip. Isso porque os peixes nem sempre estão se alimentando na superfície, e é sempre uma incógnita para nós a profundidade na qual ocorrerão mais ações, mesmo com várias discussões que relacionam o tempo, condições da água ou até mesmo fase da lua com o comportamento dos peixes. 

Caso não possua 2 equipamentos para levar, ou opte por levar apenas um por qualquer que seja o motivo, então eu sugiro que leve linha flutuante, pois a maioria dos pesqueiros fazem uso de ração flutuante para tratar dos peixes. Assim, mesmo com linha flutuante, poderá aumentar o comprimento do leader se quiser que uma ração de miçanga por exemplo fique um pouco mais no fundo. 

A linha precisa ser adequada à temperatura do ambiente na qual ela será utilizada, sempre. Portanto, certifique-se de que sua linha aguenta temperaturas altas caso na sua região faça muito calor como na minha. Uma linha de clima frio para regiões de tempo quente pode significar perda de eficiência na pescaria, pois a linha pode ficar grudenta ou mole demais, prendendo-se aos passadores e impossibilitando que a linha se desenrole corretamente nos seus roll-casts. 

2.3 A CARRETILHA

A carretilha precisa de 2 qualidades: capacidade de armazenar linha + 50m de backing pelo menos; e possuir um bom freio, que não vai desregular ao longo da pescaria ou durante as longas brigas dos tambaquis. 

Uma dica é utilizar carretilha de numeração maior do que a numeração da vara/linha. Há puritanos que torcem o nariz para essa prática, mas eu a defendo, pois gosto sempre de ter bastante backing a minha disposição e um espaço de pelo menos 1 dedo entre a linha e o chassi da carretilha. 

2.4 A FRICÇÃO DA CARRETILHA

É importante regular bem a carretilha antes de iniciar a pescaria, pois ajustes durante a briga podem afrouxar a linha e fazer com que perca o peixe. 

Independente do número do equipamento que estiver utilizando, recomendo manter a fricção apenas levemente apertada. Uma fricção muito apertada pode submeter a vara a estresse maior do que o recomendado e pode manter seu tippet muito tensionado, facilitando sua ruptura. 

Durante a briga, o tambaqui mastiga a linha algumas vezes, mas ele só possui dentes na frente, e enquanto a linha estiver nas regiões sem dentição, a sua linha não será cortada... A menos que ela esteja muito tensionada. 

Portanto, mantenha a fricção no ponto certo: nem muito solta a ponto de permitir que o carretel gire mais rápido que a saída de linha (causando um tipo de "cabeleira"). Nem muito apertada a ponto de causar danos à vara ou submeter o tippet a grandes tensões, que facilitam sua ruptura. 

4. COMPRIMENTO DO LEADER

Varia de acordo com o gosto do pescador (eu gosto de leader curto, bem curto, algo entre 1,7 e 2m)

Alguns mosqueiros utilizam leader de 3 metros, ou do mesmo tamanho da vara, sem prejuízo algum de efetividade ou apresentação da isca. 

Um leader muito longo exige muito mais energia oriunda da movimentação da vara e linha para que a apresentação seja correta.  Caso utilize um leader muito longo com uma isca pesada, com certeza sua isca vai pousar na água com o tippet alguns centímetros à frente, o que pode espantar os tambas mais ariscos. A energia do arremesso se dissipa conforme há mudança no diâmetro das linhas que compõem o leader. Na verdade, boa parte da energia é dissipada na conexão da linha de fly com o leader. Portanto, se o seu leader não estiver se esticando ao fazer a apresentação da isca, encurte-o, pois é sinal de que a energia se dissipou por completo antes de chegar até o tippet. 

Um leader muito curto, por outro lado, torna a apresentação grosseira, pois há muita energia ainda percorrendo o leader e tippet, e essa energia toda faz com que a isca cause barulho e agitação na água, podendo espantar tambaquis mais ariscos. 

Via de regra, leaders de 2 a 3 metros costumam ser os mais utilizados, no caso de dúvida, faça um de 2,4m. 

Como existem diversas receitas de leaders envolvendo diversas bitolas de linhas, vai muito do seu gosto montar o seu leader, mas a minha receita é a seguinte:

120cm de linha fluorcabono 0,55mm (com os primeiros 40cm trançados)

60 cm de linha fluorcarbono 0,40mm (com os primeiros 20cm trançados)

+ 20cm de tippet também fluor 0,40mm 

5. TIPPET

O tippet para a pescaria de tambaqui em pesqueiro não precisa ser fino, pois o tambaqui não possui visão tão fina quanto de uma piraputanga por exemplo. Eu costumo utilizar tippet de fluorcarbono 0,40mm. Pode usar tippet mais fino, apesar de eu não recomendar mais fino que 0,35 para tamba. E pode usar tippet mais grosso, apesar de eu não recomendar bitola acima de 0,60mm pois pode atrapalhar na apresentação e pode deixar o peixe desconfiado. 

6. O ARREMESSO

O arremesso em pesqueiro é relativamente fácil de ser executado, salvo quando há muito vento. As opções de arremesso são limitadas, não há o que complicar quando se trata de pescaria de tambaqui em pesqueiro com fly.

O roll-cast é o arremesso mais utilizado, permite colocar a isca com delicadeza, facilidade e agilidade. Se utilizar linha pesada e vara de qualidade, é possível colocar a isca até 15 ou 20 metros de distância com um ou dois roll-casts.

False cast é utilizado para arremessos mais precisos, não necessariamente mais longos, mas exige um local com bom espaço livre atrás do mosqueiro, o que é difícil em alguns pesqueiros.

E o Belgian Cast é utilizado em situações de vento, com as mesmas vantagens e desvantagens do false cast comum.

Dominando esses arremessos é possível fazer praticamente todo tipo de pescaria, incluindo a de tambaqui em pesqueiros.

7. OS ATADOS

Sem dúvidas a isca mais utilizada em pesqueiros para tambaqui é a imitação de ração feita com pelo (hair ball). Mas existem outras opções também efetivas as quais abordarei neste momento:

 59c5252ddeb8f_FullSizeRender(2).thumb.jpg.c919a88766ff97e3635f7a4ef9b77615.jpg

1)      Hair ball atada com Deer Body Hair, Deer Belly Hair ou Elk Hair: imita a ração utilizada na maioria dos pesqueiros. É uma isca flutuante, que encharca com o tempo e tem sua flutuabilidade reduzida ao longo da pescaria. Quanto mais compactados os pelos, maior a flutuabilidade. Sabendo disso, pode-se atar algumas bem compactadas e outras menos compactadas para que se possa manipular a apresentação da ração. Hair ball menos compactadas são boas para quando o peixe está manhoso, quando a água está bem limpa e o pescador contra o sol. Pode ser atada em uma ampla gama de anzóis, mas um modelo bastante utilizado atualmente é o Pacu, da Pinneacle, em tamanho 1/0 para iscas menores ou arremessos com conjuntos #6 e o tamanho 2/0 para conjunto #8 e iscas maiores. Pode-se utilizar o famoso Chinu, nos tamanhos entre #7 e 9 ou 2/0 até 3/0 dependendo da marca escolhida.

2)      Imitação de ração com rolha, cortiça, EVA ou material similar: imitação de ração feita com rolha. É simples, porém menos realista e mais fácil de ser recusada pelos tambas em dias manhosos, pois o anzol fica a mostra e em alguns casos é possível ver a aproximação do peixe com consequente desinteresse após observar o anzol. Há solução, colocando um pequeno pedaço de chumbo na rolha na extremidade contrária à que se encontra a ponta do anzol, fazendo com que ao cair na água, o anzol fique voltado para cima. A desvantagem desse método é que o peixe pode engolir a isca com mais facilidade. Os mesmos anzóis descritos acima podem ser utilizados.

3)      Imitação de frutos com hairball: imitação de alguns frutos feitos com Deer Body Hair. A cor da isca vai depender da época em que se está pescando. A decisão da cor no momento da pescaria depende da observação do pescador, inclusive para determinar o material com que será atada a isca, uma vez que alguns frutos boiam ao cair na água (daí o emprego do Deer Hair), enquanto outras afundam, como os coquinhos (daí o emprego de “lã ball”, miçangas, cactos chenille, craft fur e outros materiais que afundam).

4)      Imitação de ração, massinha, pão ou frutos com lã, chenille,  craft fur e outros materiais que afundam: atados que irão afundar vagarosamente imitando algum alimento que o peixe esteja comendo naquela época do ano. É uma isca que necessita de maior dinâmica, isto é, mais arremessos, pois o peixe costuma pegar na caída dela na água. Portanto: arremessou, esperou afundar 5 ou 10 segundos, não bateu? Faça um roll cast seguido de um novo arremesso. Em alguns casos pode-se lastrear o anzol para aumentar a taxa de afundamento da isca ao cair na água.

5)      As polêmicas miçangas: Existem inúmeros modelos, algumas nas cores café com leite, outras que nem parecem ração (bola de futebol miniatura, bola de basquete miniatura)... Enfim, a variedade é enorme. Alguns flytistas mais puritanos não consideram as miçangas como atados próprios para a modalidade de fly, e realmente não são, uma vez que podem ser utilizados em outras modalidades. No entanto, os tambaquis gostam, e muitos outros mosqueiros as utilizam com grande sucesso. Pode-se utilizar a miçanga sozinha ou em par no anzol, ou associadas a um EVA boleado para manter a miçanga logo abaixo da superfície. São iscas que estragam com facilidade quando recebem dentadas de pacus, tambaquis, pirapitingas e outros peixes, então se for utilizar miçangas, leve sempre algumas a mais para repor as quebradas.

Outras iscas: há quem tenha sucesso na pescaria de tambaqui utilizando streamers como “micro-minnow”, Woolly buggers, ninfas e até imitações de insetos. Depende muito do pesqueiro e do hábito alimentar do peixe, da disposição de alimentos diferentes da ração no tanque e até da quantidade de vezes que os peixes são alimentados diariamente ou semanalmente, pois quando famintos, podem atacar algo que nunca comeram antes.

O trabalho dessas iscas é bastante variável de acordo com as condições climáticas, cor de água, comportamento dos peixes naquele momento, temperatura da água, etc. Via de regra, peixes de pesqueiros são sedentários, e preferem iscas com trabalho lento.

O uso de sinalizadores de fisgada:

Eu conheço 2 tipos de sinalozadores utilizados em pesqueiros:

1)Rodelas de EVA de cor vibrante na parte superior da isca

2)Pequeno EVA boleado ou mecha de pelo de cor vibrante no meio do leader

Facilitam muito a identificação do ataque em meio às rações lançadas na água, mas podem assustar os peixes mais manhosos. Particularmente prefiro não usar sinalizadores, mas em dias de muito sol em que o reflexo na água ofusca a visão, sou obrigado a utilizá-los para não perder a ação.

8. TÉCNICA DE PESCA E A “FISGADA”

As técnicas de pesca em pesqueiros são limitadas, fato que faz com que alguns pescadores não tenham apreço pela pescaria em pesqueiros.

De longe a técnica mais utilizada consiste em jogar um punhado de ração na água e a sua isca no meio, e aguardar o ataque. Pode-se fazer o contrário, arremessando primeiro a isca e as rações em seguida.

A respeito desta técnica tenho algumas observações a fazer, que podem melhorar o seu desempenho na pescaria:

I)                   Quanto de ração jogar? Bem, não adianta jogar um saco inteiro de ração na água, pois o peixe provavelmente ficará “de barriga cheia” antes de encontrar sua isca. E não adianta jogar algumas poucas unidades de ração ou jogar uma por uma como se estivesse alimentando galinhas, pois o peixe possui memória associativa e condicionamento operante, isso significa que ao longo de sua vida, aprendeu que o seu alimento cai na água de forma similar todos os dias, passando então a associar o som ou a movimentação na superfície da água ao momento de se alimentar. Deve-se, portanto, fazer com que as rações caiam na água ao mesmo tempo, sem se espalhar muito, pois isso gera um som bastante fácil de ser identificado pelo peixe. Então não tem erro, nem o que inventar. Algumas ferramentas ajudam nessa tarefa, como as colheres de arremesso de ração e os estilingues, ambos à venda em lojas de pesca.

Observe também se o dono do pesqueiro ou o responsável por alimentar os peixes realiza algum “ritual” antes de alimentá-los. Esse “ritual” pode ser chacoalhar a mão na água, gerando som facilmente percebido pelos peixes, ou bater na água com uma vara de bambu, muito comum até mesmo em rios na pescaria de pacus e pintados por exemplo. Mas certifique-se de que isso é realmente utilizado no pesqueiro em que esteja pescando, caso contrário pode espantar os tambaquis e ainda ficar marcado no pesqueiro como doido.

 

II)                Pescar de “espera” ou de “batida”? Quando se emprega essa técnica de pesca, talvez surja a dúvida entre arremessar a sua isca no meio da ração e esperar o ataque por vários minutos, ou arremessar a isca várias vezes, como na pescaria com as imitações de frutos caindo na água... Bem, pela minha experiência os melhores resultados são obtidos na pescaria de “espera” e observação. Observação que eu digo é averiguar onde os peixes maiores estão se alimentando. Eles podem estar se alimentando bem no centro de onde jogou as rações, ou nas periferias. Cabe então ao pescador observar o comportamento dos tambas naquele momento e colocar sua isca na posição mais estratégica, resistindo à tentação de tirar a isca de um lugar aparentemente parado e arremessar em outro ponto onde um tamba gigante acabou de bater.

 

A “FISGADA”, é a ação que mais faz o mosqueiro iniciante perder troféus. Para quem leu este texto enorme até agora, percebeu que em todos os momentos coloquei a “fisgada” entre aspas, propositalmente. É vício adquirido na modalidade de bait, o de fisgar o peixe, puxando com força e firmeza a vara para trás, quase que “arrancando a boca do bicho” em alguns casos.

Na pescaria de tambaqui com fly em pesqueiros, deve-se evitar fisgadas, por 2 motivos:

1)Não há necessidade... A própria mordida do peixe faz com que o anzol perfure as estruturas mais moles da boca.

2)A fisgada causa ruptura do tippet... Então já sabe que a próxima vez que fisgar e estourar a linha, não adianta dizer “era tão grande que levou tudo...”, pois mesmo com um peixe pequeno o tippet pode estourar durante a fisgada.

- O que fazer então, quando o peixe atacar a isca?

No caso da pescaria de tamba em pesqueiro utilizando imitação de ração, o que eu gosto de fazer é apenas firmar a vara e esperar a corrida do peixe. Quando ele iniciar a corrida, deixo levar os primeiros centímetros de linha e vou aumentando a pressão na linha gradativamente, até que eu tenha o controle da situação. Dessa forma, o anzol penetrará nas estruturas ósseas da boca do peixe e o tippet vai aguentar a tensão da arrancada do tamba.

9. DURANTE A BRIGA

A briga com alguns tambaquis parece um verdadeiro cabo de guerra, você puxando de um lado quando ele “cansa”, e ele levando toda sua linha quando recupera o fôlego.

A briga é a parte mais difícil da pescaria, pois deve-se prestar muita atenção nos movimentos do peixe, imaginando o tempo todo por onde o tippet está passando na boca dele. Quando o peixe está nadando em uma linha horizontal, vamos supor que para a direção esquerda, eu gosto de inclinar a ponta da vara também para a esquerda. Movimentar a vara para os lados nem sempre é a melhor opção, então não tentarei criar “regrinhas” de posicionamento de acordo com o nado do peixe. Mas há uma dica importante acerca da briga com o peixe: nunca tente quebrar o nado do tambaqui como fazemos na pescaria de tucunaré. Caso tente domar a fera na brutalidade, terá um tippet estourado ou um anzol aberto.

10. DICAS

1)Cheque sempre sua linha em busca de nós de vento (Wind knots) no seu tippet. Os nós são causados por arremessos errados, ou com atraso no tempo ou com movimentos muito rápidos sem dar o tempo certo para a linha desenrolar no false cast. Ventos repentinos podem causar esses nós no tippet também. E cada nó no tippet reduz em 50% a resistência do tippet. Não inventei esses dados, a RIO publicou um vídeo no youtube mostrando exatamente isso, deixarei o link do vídeo logo abaixo.

2)Após cada “fisgada”, verifique a integridade do tippet próximo ao anzol, bem como fazemos na pescaria de tucunarés ou robalos.

3)Mantenha-se de costas para o sol. Assim o peixe vai enxergar apenas sua silhueta, confundindo-o com um galho ou qualquer outra coisa. Ficar de frente para o sol ressalta o brilho de sua pele, carretilha, vara, óculos e vestimenta, assustando os peixes mais próximos.

4)Amasse as fisgas dos anzóis. Para todas as pescarias, em todas as iscas... Assim machucará menos o peixe, facilitará a entrada do anzol em estruturas ósseas, agilizará a manipulação do peixe quando este chegar à margem e evitará a necessidade de procedimentos cirúrgicos caso o anzol entre em você ou em seus parceiros de pesca.

5)Cuidado com o boga grip, ou alicates pega-peixe, pois a boca do tambaqui é compacta. Quem nunca viu um boga grip varar a boca de alguns peixes? Pois bem, vamos evitar danos ao peixe, pois sem ele o nosso amado esporte não existiria...

Grande Abraço!

 

 https://www.youtube.com/watch?v=v5LcB-1gjzo&t=8s

 

Uma verdadeira aula,obrigado. 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 18/10/2017 at 09:46, Tattoo320 disse:

Uma verdadeira aula,obrigado. 

 

Fico feliz em ter ajudado em algo, grande abraço! 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora