Agnaldo Mirandez

Pescaki V.I.P
  • Total de itens

    1.048
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 neutro

Sobre Agnaldo Mirandez

  • Rank
    começando a responder
  • Data de Nascimento 07-09-1959

Informações Pessoais

  • Localização
    São Paulo
  • UF
    SP
  • Sexo
    Masculino

Previous Fields

  • Nome Real
    Agnaldo
  • Sobrenome
    Mirandez
  • Estilo de Pesca
    baitcasting

Últimos Visitantes

8.149 visualizações
  1. Papai Noel caprichou, hein?! Feliz 2012, e que venham mais peixes fantásticos para alimentar os sonhos dos pescadores! Abração!
  2. Chique pra caramba!!! Só essa música que espanta os peixes... A estrada é boa até lá? Abraço
  3. Fala Nono!!!! Bem vindo ao Pescaki! Eu não poderia deixar de incluir o Marcello, pois a molecada fez a diferença nessa pescaria. Eu lembro de quando levava o Diego com 9/10 anos, parecia um ET pois só os marmanjos tinham vez. O convívio e a aproximação que essas pescarias permitem não tem preço. Isso ficou patente no nosso grupo, formando uma grande família! Até breve
  4. Aves, inclusive com um gavião capturado na isca de superfície. Jacu cigana aos milhares, gritando e namorando (ô bicho tarado!!). Ariranhas, antas, capivaras, macacos, e a cobra coral que queria invadir o barco. Ficamos na pousada Thaimaçu, na mesma semana. Pode ser que ele tenha ido muma pousada que tem mais pra baixo...
  5. Desculpem, mas a hora que eu recebi estas fotos eu tinha por obrigação abrir um novo post. esta pescaria foi mais especial ainda pela participação dos pequenos pescadores, que mostraram muita técnica e persistência. Familia Lacaz: O papai, organizador das viagens, e um fominha inveterado, criou uma legião de fanáticos pinchadores. Todos usavam varas by Diego Mirandez de 15lbs (Rafa e Ricardo), 20lbs (papai Edu) e 25lbs (Fernanda). Maria Fernanda: A mais nova da trupe, e estreante nas pescarias grandes, trocou uma viagem à Disney pela aventura no São Benedito. às seis da manhã já estava a postos, e só retornava às oito da noite ,e com gás para narrar as capturas do dia. Abaixo com um belo trairão, sob supervisão do irmão mais velho Rafael. Triple catch, com Rafa e Edu Belo Tucuna, na sub-superfície, com paradinha... Na hora do almoço, com o tio mais querido! Bitelo No barco do vovô Pinduca, com o seu troféu da pescaria: uma bicuda que bateu 6,9Kg! No jantar a narração da fisgada foi repetida umas 10 vezes. Rafael: O mais velho, já veterano nas pescarias. Extremamente técnico, bom de pincho, e no trabalho das iscas, principalmente na superfície. Resultado: peixes, e mais peixes na ponta da linha. Mais um duble com o pai: rotina. No jantar, a conversa era animada, e rica em detalhes... Na perseguição à Pirarara, sairam outros peixes, mas o sonho ficou para a próxima... Ricardo: Pescador nato, e conhecedor das espécies, e suas manhas, seduziu esse belo trairão de 8 kg com uma twitch bait. Um dos graúdos: Duble com papai, que parecia um baiacu, de tão inchado... Nosso barco sempre era ultrapassado pelos outros no rio. Pedi ao Fernando, nosso piloteiro que verificasse o motor, e ele disse que talvez fosse o peso... A mesma desculpa que o o Bomediano dá! Ele está fazendo escola... Os Lacaz em mais uma investida... Fominhas?!?!?!?! Foi nossa primeira pescaria com o Marcelo Setin, e seu pai, o Rogério, mas parecia que nos conhecíamos há séculos, tamanha afinidade. O Marcelo mostrou-se um pescador dedicado, conhecedor e usuário de equipamentos de ponta, e acima de tudo, um obstinado. Graças á persistência capturou exemplares que dão inveja a qualquer marmanjo, como este tambaqui, que após 3 dias de tentativa, linhas estouradas, acabou sendo fisgado. Após pescarmos na mesma lagoa, onde eu eo Diego levantamos dois bons tucunarés, e dividimos com eles um belo cardume. Nós mudamos de ponto, e a persistência levou a dupla a permanecer ali, e conquistar esses monstrinhos. E assim transcorriam os dias, com excelentes peixes. E novamente a obstinação levou Marcelo e Rogério às Sete Quedas, no Teles Pires (única dupla que se arriscou a ir). E a dedicação foi premiada com este exemplar, que brigou muito antes de se entregar. Brincadeira de criança...
  6. Obrigado amigos, relmente foram dias inesquecíveis. Estou recebendo fotos da mulecada, e sõ tão sensacionais, que merece um tópico novo. Eles pescam muuiiitooo!!!! Aguardem!
  7. desculpem, mas acabei postando a parte 2 do relato em duplicidade, e já solicitei ao admnistrador para retirar. Obrigado.
  8. Se alguém for à pousada, não pode deixar de dedicar ao menos um período para pescar no Salto Thaimaçu, corredeira que dá nome à mesma, e localiza-se diante dos quartos e restaurante.Além do visual magnífico, pode-se pescar espécies ultra esportivas como Jaús, bicudas e cachorras, além do espetacular pacu borracha, que quando fisgado briga muito, e dá saltos espetaculares. Indo pras pedras As borboletas, sobrevoando a moranga hahahaahaah Apresentando as armas: Eu tentei o Jaú, mas perdi para o enrosco, e como o Diego pegava um pacu atras do outro no fly, eu peguei uma varinha e fui também Outro borracha com a pousada ao fundo. Longe, né? Os peixes atacavam com vontade, e os tucunarés estavam preferindo as iscas de sub superfície, acima de 9 cm. Abaixo um deles com uma Biruta 110 encharutada! Esse pobre lambari, encharutou uma Biruta 130!!!!!!! rssssss Houve momentos, que apesar da menor produtividade, insistíamos, com as iscas de superfície. E fomos recompensados com ataques furiosos, que quebravam o ruido ritmado das zaras e hélices. Outro bonitão, e pensando bem acho que o Diego mesacaneou com as fotos: a melissinha vermelha está em todas!!!! A helice do Diego estava infernal, e levantou outros habitantes do rio: E o ataque mais espetacular foi proporcionado pelo animal abaixo, que estourou na isca, e levou-a para passear, demorando a se render, depois de muitos saltos e arrancadas. bateu 10kg no boga. Acabou perdendo os caninos na batalha... Voltando para a vida ... Quando o braço não aguentava mais pinchar... bora linguiçar. Alguns peixes ganhavam a corrida das piranhas Quando elas não davam trégua, a gente trocava para a tralha ultra light, e fazia a festa! Numa dessas, engatei uma cachorra, que levou a linha toda do molinetinho 2500, antes de pular e sumir do mapa. Imediatamente trocamos de tralha, e pegamos um monte de cachorras na artificial. O saldo foi de algumas X rap destruídas. De volta à linguiçada, e fisgo um bicho mais nervoso na vara de 30 lbs. Quando via a luz da lanterna, corria pra longe do barco. Quando apareceu, fiquei com vontade de trazer pra casa... ô bichinho lindo! No fim, soltamos, e pedimos que fosse chamar a mãe dele, e ele foi!!!!! Foi uma briga de gente grande, com corridas que faziam o alarme da carretiolha cantar, e o Diego não conseguiu nem colocar o c* de burro: ficou com a barriga roxa. Mas a felicidade foi enorme, e o bichão bateu 80lbs. Dá pra ver a felicidade estampada na fachada dos gordinhos? Soltando a cabeçuda, e marcando um novo encontro no futuro. Era o peixe que faltava. O que antes era o coadjuvante, e acabou como protagonista. Agora, é esperar pela próxima, e voltar pra casa nos EMBRAER 175 e 190, que são excepcionais! Até a próxima, e assim que receber imagens dos outros pescadores, postarei aqui.
  9. Se alguém for à pousada, não pode deixar de dedicar ao menos um período para pescar no Salto Thaimaçu, corredeira que dá nome à mesma, e localiza-se diante dos quartos e restaurante.Além do visual magnífico, pode-se pescar espécies ultra esportivas como Jaús, bicudas e cachorras, além do espetacular pacu borracha, que quando fisgado briga muito, e dá saltos espetaculares. Indo pras pedras As borboletas, sobrevoando a moranga hahahaahaah Apresentando as armas: Eu tentei o Jaú, mas perdi para o enrosco, e como o Diego pegava um pacu atras do outro no fly, eu peguei uma varinha e fui também Outro borracha com a pousada ao fundo. Longe, né? Os peixes atacavam com vontade, e os tucunarés estavam preferindo as iscas de sub superfície, acima de 9 cm. Abaixo um deles com uma Biruta 110 encharutada! Esse pobre lambari, encharutou uma Biruta 130!!!!!!! rssssss Houve momentos, que apesar da menor produtividade, insistíamos, com as iscas de superfície. E fomos recompensados com ataques furiosos, que quebravam o ruido ritmado das zaras e hélices. Outro bonitão, e pensando bem, acho que o Diego me sacaneou com as fotos: a melissinha vermelha está em todas!!!! A helice do Diego estava infernal, e levantou outros habitantes do rio: E o ataque mais espetacular foi proporcionado pelo animal abaixo, que estourou na isca, e levou-a para passear, demorando a se render, depois de muitos saltos e arrancadas, bateu 10kg no boga. Acabou perdendo os caninos na batalha... Voltando para a vida ... Quando o braço não aguentava mais pinchar... bora linguiçar. Alguns peixes ganhavam a corrida das piranhas Quando elas não davam trégua, a gente trocava para a tralha ultra light, e fazia a festa! Numa dessas, engatei uma cachorra, que levou a linha toda do molinetinho 2500, antes de pular e sumir no mapa. Imediatamente trocamos de tralha, e pegamos um monte de cachorras na artificial. O saldo foi de algumas X rap destruídas. De volta à linguiçada, e fisgo um bicho mais nervoso na vara de 30 lbs. Quando via a luz da lanterna, corria pra longe do barco. Quando apareceu, fiquei com vontade de trazer pra casa... ô bichinho lindo! No fim, soltamos, e pedimos que fosse chamar a mãe dele, e ele foi!!!!! Foi uma briga de gente grande, com corridas que faziam o alarme da carretiolha cantar, e o Diego não conseguiu nem colocar o c* de burro: ficou com a barriga roxa. Mas a felicidade foi enorme, e o bichão bateu 80lbs. Dá pra ver a felicidade estampada na fachada dos gordinhos? Soltando a cabeçuda, e marcando um novo encontro no futuro. Era o peixe que faltava. O que antes era o coadjuvante, e acabou como protagonista. Agora, é esperar pela próxima, e voltar pra casa nos EMBRAER 175 e 190, que são excepcionais! Até a próxima, e assim que receber imagens dos outros pescadores, postarei aqui.
  10. Realmente amigos, é uma pescaria pra não esquecer, a mulecada mandou muito bem , e assim que eu receber as fotos deles eu coloco aqui. Chique pra caramba, né? Com a poeira a Croks vermelha ficou rosinha, e a Fernanda quis saber onde eu tinha comprado.. É isso aí Fred, melhor que ir pescar com o filhão, é que eu fui patrocinado por ele!!!! abraço
  11. Fazia tempo que estávamos em jejum de pescaria, mas a espera compensou. A convite do amigo Edu Lacaz, juntamo-nos a um grupo que ao menos uma vez ao ano faz uma grande pescaria. O local escolhido, foi o Rio São Benedito, afluente do Teles Pires, na pousada Thaimaçu. Havia anos que não íamos à região, onde a grande estrela é o tucunaré fogo, que não cresce além dos 5-6 Kg, mas surpreende pela sua valentia, e seu colorido incomparável. Saímos de São Paulo em 01/07, e retornamos em 09/07. Abaixo, foto do grupo. Foram 7 dias de pescaria, e convívio com um excelente grupo, e muitos pescadores jovens. Foi um bom laboratório de testes para as varas do Diego. As fotos podem ilustrar melhor do que o blá blá blá..., e como voces poderão observar, fica dificil descrever a diversidade de espécies que visitaram nossas linhas,onde os coadjuvantes brilharam, e muitas vezes ofuscaram as estrelas. De Alta Floresta até a pousada, 4 horas de 4x4, e a molecada ansiosa quando atravessamos o Teles Pires. Mal chegamos, pegamos a tralha, e logo pro São Benedito. Logo recebemos as boas vindas, com ataques às nossas iscas que prenunciavam uma semana de pescaria farta e variada: tucunarés, matrinxãs, cachorras, bicudas, que fizeram o conjuntinho de 15 lbs trabalhar... No cair da noite,uns peixes de couro, como o palmito. Depois do jantar, a visita de um velho conhecido que apareceu para a sobremesa: E assim passavam os dias, , sempre com surpresas na outra ponta da linha, os tucunarés com diferentes colorações dependendo do local de captura, ora mais claros e avermelhados, ora mais escuros, quando capturados no rio, fora das lagoas. Na hora do almoço, pausa para descanço, conversa mole, cerveja e churrasco, Ô vidinha difícil... O Machado não deu mole: Duble de tucunas com o parceiro Aldo, e show de variedade de espécies! O Jairo também mostrou a força e a beleza dos oponentes Anderson e Mauricio (Maçaranduba) Difícil é a adaptação a um local com pouco peixe... Água suja... E quando vai para a varanda do apartamento, tem que se deparar com esse tipo de paisagem Mas com esforço, a gente continuou pescando... ( a continuar)

Parceiros: www.petsEXPERT.pt