Mauricio.

Super VIP
  • Total de itens

    22.012
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    738

Tudo que Mauricio. postou

  1. Mauricio.

    Tempo bom

  2. Mauricio.

    Quando o grande ronda

    Quantos de nós não estávamos pescando lambaris quando víamos aquele grandão simplesmente passando na frente?
  3. A depender do peixe visado, como espadas, é obrigatório. Para baiacus, a depender do tamanho no dia, também. Porém, cada um é um estilo diferente, com seu empate específico.
  4. Papagaio come milho, periquito leva a fama. Sim, para isca artificial, esse é o terminal. Não se esqueça que, nesse caso, um pedaço de uns 50 cm de linha mais resistente deverá ser usada, ligada à linha do molinete. Ela garante um pouco mais contra possíveis dentes afiados ou enroscos. Necessário dizer que os peixes citados, ou seja, bagre, baiacu e amborê, toda minha vida os considerei apenas peixes incidentais. Eram muito capturados mas eles nunca eram o alvo pretendido, apenas eles não concordavam com isso . Em canal sempre preferi os robalos, pescadas, corvinas, caratingas, carapebas, escrivões e mais todos os outros de escamas prateadas. Tudo o mais era preula.
  5. Chumbada de qual peso e de que formato é a melhor escolha? Creio que isso dependerá do estilo, da distância de arremesso pretendida e da velocidade da corrente. Dessa forma, equipe-se com chumbadas tipo oliva, gota e pirâmide de pesos variados, entre 20 e 60 g. Use oliva caso queira usar o anzol na ponta, sendo que o empate deverá ser assim: Ponta da linha do molinete, chumbo oliva, girador, 40 cm de monofilamento um pouquinho mais grosso, anzol. Caso queira usar dois anzóis no estilo pargueira, aí já será necessário fazer um empate. Quanto ao anzol, que tamanho é o mais apropriado? Para os peixes citados, pode comprar alguma quantidade entre os tamanhos 10 e 1/0. Uns 10 de cada já ajudam. O que vai comandar é o tamanho médio dos peixes no dia. Se forem muito pequenos, ou mesmo peixes bons mas de boca pequena como as Caratingas, os menores deverão ser usados.
  6. Como o pessoal está um pouco tímido, aqui vão algumas observações de minha parte: Portinho da Praia Grande, lugar bem conhecido por muitos praticantes da pesca. - Sim, é um local bem interessante para uma pescaria informal de peixes menores que alcançam o canal. Tem estacionamento, é de graça, e tem restaurante onde, inclusive, vendem iscas. É melhor pescar peixes como bagre, baiacu, amboré, com isca artificial ou natural. - Esses peixes caem melhor em iscas naturais. Camarão é bem recomendado. Que tipo de linha é mais apropriada? Para esses peixes, monofilamento de 0,25 a 0,35 mm seria bem adequado. Comprei um equipamento extremamente simples - Simples, porém eficiente. Vai funcionar para o que quer até o momento em que vai evoluir e comprar equipamentos mais especializados. Aí deixará esse para o filho ou o genro. Action: 40-80g - Ela tem seu ideal de arremesso para iscas ou chumbo entre esses pesos. Arena 3000 - Bom para iniciar. 200 m de linha 0,35 mm é bem razoável. Boa sorte.
  7. Mauricio.

    Olha a água!

  8. Mauricio.

    Ooops

  9. Seja bem vindo, colega. Esse tipo de pescaria é bem comum. Vamos aguardar as opiniões do pessoal.
  10. E a gente reclama daqui ...
  11. Mauricio.

    Chove chuva

    Lugarzinho feio aquele. E com aquela chuva...me admira que tenha conseguido pegar alguma coisa por lá.
  12. Sim, lembro bem. Lembro também da coleção "Caçando e pescando por todo o Brasil" de Fábio Júnior, uma triologia que abarcava praticamente o Brasil todo e que também escreveu "Três Escoteiros em Férias no Rio Paraguai", outro que me dá boas lembranças. Creio que ainda os tenho guardados. Como falei de pão, esqueci de comentar do leite. O jovens de hoje nem imaginam que naquele tempo comprávamos leite em saquinhos plásticos que precisavam de um suporte que todo mundo tinha em casa para mantê-lo de pé depois de cortada a pontinha. Aquele leite tipo "C", que chamávamos de vagabundo mas era o que tinha para se comprar. Rico comprava o tipo "B", o dobro de caro, mas que era o que tinha quando acabava o "C" e você se conformava, que na época da ditadura não tinha Procon. E o tipo "A" era lenda. Cansei de ir na padaria comprar leite e pão, trazendo o leite como me ensinaram, apertando com o dedão e o indicador em cada ponta para não esquentar o pacote inteiro no caminho. E o pão, se não era pãozinho, era o filão, enrolado em uma única folha de papel no centro, o que deixava as pontas expostas para mosca pousar e esbarrar nas paredes.
  13. Mas eu acho que sempre haverá quem goste mais deste estilo de rede social. Sou do tipo antigo, ainda gosto de escrever tanto quanto ver fotos e videos. Claro, se eu pudesse voltar, voltaria mais para trás ainda, aos anos 70, eita tempinho feliz aquele . Não tinha internet, uma simples linha telefônica custava os olhos da cara (era até declarada no imposto de renda como bem). Se quisesse informações sobre o mundo da pesca ou conversava com o pessoal no costão ou comprava revistas de pesca (Troféu, Acampamento), que eram lidas avidamente por olhos jovens de um mundo repleto de possibilidades de aventura. E elas aconteciam, mesmo que em doses suaves e prazeirosas. Lembro de, dormindo na casa de praia de meus pais, de manhã bem cedo com o sol ainda querendo nascer eu ouvia o barulho do mar, distante algumas quadras, que chegava até meus ouvidos devido à brisa na atmosfera ainda fria e úmida da manhã. Um momento único que durava poucos minutos, uma sensação que nunca mais tive. Pescarias em lugares diferentes, a surpresa de peixes diferentes capturados (o que morderia a isca ?), o onipresente som e cheiro de mar e o sol inclemente que deixava braços e costas descascando depois. Sim, se eu soubesse o que sei hoje nunca deixaria de usar um chapelão e camisa de manga comprida. Mas, menino do século passado... . As betaras e pampos capturados eram sempre devidamente homenageados com um almoço, onde tinham lugar de honra no centro da mesa em um prato de louça forrado com papel de pão para absorver o óleo da fritura . Aliás, lembro daquele pãozinho francês das padarias do litoral...eita pãozinho ruim aquele, kkkkkk . Molengoso como só. Dizem que não mudou até hoje. Não sei porque o litoral não permite um pãozinho decente. Massudo, aquele miolo que embolava quando você cortava. Mas para fazer na chapa com manteiga era até razoável, desde que amanhecido de um dia.
  14. Mauricio.

    Instalei

  15. Mauricio.

    Total liberdade

  16. Sim, é verdade. Os fóruns estão morrendo. Nem se compara ao que era em 2008/2009, centenas de usuários diariamente.
  17. Mauricio.

    Pescando e fritando

    Não faço aventuras assim desde jovem. Saudades dos meus tempos de doido.

Parceiros: www.petsEXPERT.pt