Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'Relato'.



More search options

  • Search By Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Search By Author

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Pesca
    • Bate Papo (novo)
    • Pesca em Geral
    • Relatos de Pescarias
    • Materiais e Equipamentos para Pesca
    • Trabalhos Manuais / Bricolagem
    • Avaliações,Testes e Lançamentos
    • Água Salgada
    • Pesca de Praia
    • Caiaque
    • Pesque & Pague
    • Espécies
    • Flyfishing
    • Legislação
  • Parceiros
    • Pousada Rio Suiá-Miçu
    • Bahia Sportfishing
  • Regionais
    • Pesca em Santa Catarina
  • Diversos
    • Termos e Regras
    • Dúvidas, Críticas, Dicas, Opiniões e Sugestões sobre o Pescaki
    • Café Pescaki
    • Ecologia e Ambientalismo, Ictiologia, Zoologia, Aquarismo, Botânica, etc.
    • Agenda Pescaki
    • Fotografia
    • Náutica e Técnicas de Navegação
    • Carabinas de Ar Comprimido
    • Classificados
    • "Causos" de Pescarias e Outros Textos
    • Gastronomia
    • Tecnologia

Find results in...

Find results that contain...


Data de Criação

  • Início

    End


Data de Atualização

  • Início

    End


Filter by number of...

Data de Registro

  • Início

    End


Grupo


MSN


Skype


Website URL


Localização


UF


Interesses Pessoais


Nome Real


Sobrenome


Estilo de Pesca

Encontrado 9 registros

  1. Ola pessoal, bom vou relatar minhas experiencias frustradas com isca artificial e carretilha, ah um dois anos comprei uma vara de 25lb ja com carretilha e linha multi de 25lb e um líder tbm de 25lb, na internet, fui a uma loja na cidade me que moro, Teixeira de Freitas - BA e compre um monte de iscas artificiais, cada uma de um jeito, foi pescar na foz do rio, na barra, nao tive nenhum sucesso, me disseram que era a lua e que o mar estava ruim, fora que a cada arremesso se formava cabeleira na carretilha, fui me adaptando uma hora embola outras nao, mas ai eu perdia muito tempo consertando, bom resolvi comprar um molinete 2000 e usar na vara de carretilha, com a linha multi 25lb e líder 25lb com distorcedor e snap, agora blz, fui pescar numa repesa,consegui pescar um tucunaré de 2kg e duas trairás pequenas, mas a água estava barrenta, voltei la nos meses consecutivos e a agua ainda estava suja, estava chovendo direto, resolvi mudar de represa, encontrei uma perto de casa cheia de mato e vitoria regia, as iscas meia água embolava, mas eu senti uma trairá grande barrento nela, puxei e a trairá se soltou no ar e caiu na agua, ai nao deu mais nada, resolvi comprar isca flog com anti enrosco, foi muito bom, pois eu jogava no mato e não enroscava, ai veio outro problema, as trairás estão atacando a isca flog, mas eu nao consigo fisgar, ela se solta, tentei deixar a trairá levar, tentei puxar logo apos o "bote da trairá", teve uma hora que a trairá passou perto da superfície deu pra ver o tamanho deve ter 1kg ou 2kg, mas ela solta, alguém tem alguma dica? eu ja comprei vara de 12lb e 17lb ( nao encontrei de ação extra rápida por menos de 100, so encontro acao media no mercado livre), to esperando chegar, vou comprar um molinete de 1000 pois deve ser mais leve, vou aposentar a carretilha, dar muito trabalho, ja usei linha 0,30 mono, a linha embolou mais ainda do que a multifilamento, fora que ela pocou duas vezes, nao sei se e eu que estou muito forte a ponto de pocar a linha 0,30mm na mao apos dar um nó e desembolar a cabeleira. segue a foto dos flogs que usei, pesa 7g cada, reparei que arrancou cabelo das pernas da pretinha. reparei tambem que mesmo com isca meia agua e flutuante a traíra se solta.
  2. Domingo fui almoçar na casa do sogra da minha cunhada (meio confuso né?)... Lá de cima da casa deu pra ver que tinha lá embaixo um lago quase 100% coberto de vegetação e um outro menor perdido no meio do mato, mas não coberto por aguapé. Eu como sempre tenho umas "tralhinhas" no carro perguntei se tinha peixe e meu cunhado falou que tinha umas carpinhas no coberto e no outro traíras, carás e lambaris... Por estar com os pequenos e esposa resolvi só arriscar no lago coberto... O resultado está parcialmente aí nas fotos (foram muitas, e muitas e muitas)... Diversão para meus mini-pescadores! Que puderem pegar peixes de bom tamanho e soltar ali mesmo! Na próxima eu tento no outro lago!!!!
  3. Já fazia muito tempo que eu vinha lendo comentários e elogios para a isca Papa Black da Ocambé, recentemente aproveitei uma compra online de materiais e inclui no pedido esta tão falada isca (cor 05). A isca chegou já faziam alguns dias e hoje de tarde resolvi testar em um pequeno açude próximo aqui de casa, os primeiros resultados apareceram, foram duas trairas de um porte que fazia muito tempo que eu não pegava... rsrs, acho que deveriam ter entre 60 e 70g cada uma, as quais foram prontamente devolvidas para água. Achei engraçado pois a isca nem caberia na boca das trairas e mesmo assim atacaram, costumo pescar com frogs no local e normalmente o porte dos peixes é bem melhor... mas fica para uma próxima pescaria. Esta segunda veio com o anzol na boca, mas não estava nem fisgada.
  4. Fala galera! Sou recém cadastrado aqui no site, porém venho acompanhando à tempos todos os relatos, dicas e etc... E hoje resolvi me cadastrar para compartilhar minhas pescarias. Moro em Guarulhos e gosto bastante de pescar aos finais de semana... Antigamente por causa do meu trabalho, fiquei cerca de uns 2 anos sem pescar, pois viajava muito trabalhando... Isso judiava demais kkkk Ontem 20/11/14 consegui pegar um feriadinho e fui pra beira do lago com a patroa e mais um casal de amigos... Meu amigo havia me convidado para ir no Pesqueiro Terapia em Arujá, pois à um tempo atrás ele tinha tirado muita cabeçuda lá, chegamos por volta das 06:50 na porta do pesqueiro e as 07:00 já estávamos lançando a primeira isca na água.. A principio ficamos bem animados, pois de fora conseguíamos ver a ação dos peixes no lago principal! Conversamos com um funcionário e ele havia informado que as cabeçudas estavam bem ativas... E hora ou outra saia um pintadinho e uns tambas, ai ficamos mais animados ainda.. Porém, ao passar o tempo, nossa animação foi indo embora.. Testamos varias iscas e chicotes... Não saiu nenhuma cabeçuda, nenhum tamba, NADA... Só tivemos ações de tilápias, observamos que tinha muita tilápia pequena. Por sinal a patroa até cansou de tirar as pequenas na varinha de mão... Até o 12:00 tiramos em torno de umas 10 tilápias maiores e bastante pequenas, depois disso juntamos nossa tralha e fomos pra casa... Alguém esteve lá recentemente? Fiquei bem desanimado de voltar lá novamente. Abraços!
  5. Hoje fui até uma fazenda onde o proprietário cria trutas, o local é ótimo para a prática de pesca, camping e trilhas. O local tem várias lagoas naturais com água que vem de cachoeiras, as únicas espécies existente lá são trutas e carpas comum. O local possui vários quiosque e área para camping equipados com vários banheiros, churrasqueiras e luz. Tirei algumas fotos do celular que não ficaram muito boas não, mas seguem fotos do local e de uma das trutas que peguei. Site do local: http://riorafael.blogspot.com.br/ Lago das carpas... Essas manchas escuras na água são as carpas nadando em cardume, é lindo de ver... Água da cachoeira é que abastece os lagos, e local onde capturei as trutas... Nas fotos as trutas não estão visíveis, mas tinha aos montes.... Lindo lindo lindo... Uma das trutas que pesguei na mosca, foi muita adrenalina, elas brigam muuito.... Na pilha... Material utilizado (presente de um grande amigo)... Isca Zug Bug da Mustad Abraços e boas pescas....
  6. Boa noite amigos do Pescaki! Essa é primeira vez que vou escrever um relato aqui, como esse fórum me ajudou muitas vezes nas decisões do que comprar, de como pescar, quais pesqueiros frequentar, vejo que agora, é minha parte de fazer alguma contribuição aqui e ajudar os iniciantes (não que não considere iniciante ainda, mas agora sou um iniciante sênior, rs) pois muitas de minhas indicações saíram de relatos, vamos lá: 1. Local Pesqueiro Maeda (Tancão) Itu-SP 2. Material utilizado Carretilha : Daiwa Tatula Type-R Vara : Okuma SST 2.4M Linha : Daiwa Samurai 0.35mm Leader : Sumax Fluorcarbono 0.5mm Anzóis : Owner 3. Condições Climáticas Pouco sol, nublado na maior parte do dia e com um pouco de chuva. 4. Iscas Salsicha, Beijinho, Tripa, Mortadela e antenas que eu mesmo fiz. Fui com o primo da minha noiva, chegamos era 7:30 e como de costume o deck e a parte do restaurante já estavam cheios e os lugares disponíveis com bolsas dizendo assim: não sente aí, pois eu penso que dou o dono do pesqueiro, rs. Enfim, achamos um lugarzinho no meio do mato que parecia não ser muito bom, logo pensei, vou sair com o dedão de novo pois não consegui ficar no deck (já que é a segunda vez apenas que vou ao tancão, a primeira saí com o dedão). Começamos na cevadeira e os tambas não estavam subindo muito.. pegamos algumas tilápias, mas como eu digo, tilápia não serve para dizer que você tirou o dedo, rs.. logo veio o primeiro tamba, tamanho médio, sem muito esforço o retirei da água, mas ele destruiu minha anteninha antes. Estava meio fraco, decido então colocar uma vara de fundo com tripa e deixar lá, mesmo com aço nas duas fisgadas que deu, o peixe cortou a linha. Mudei a tática na vara principal também, fui para o torpedinho com a velha e boa salsicha, eis então que começaram as surpresas (fotos abaixo). Bati meu recorde pessoal, saiu um tamba que na minha balança tabajara marcava 33kgs, eu creio que não tinha isso não (o que vocês acham amigos?). Como pescaria tem suas surpresas, o primo da minha noiva não pegou NADA, somente tilápia, o engraçado é que estávamos jogando no mesmo lugar, com a mesma isca, mesmo tamanho de torpedo e não saia nada para o cara.... no fim do dia, nossa vara de fundo puxou e eu fisguei dando um tranco na própria linha e o coitado tirou o peixe... Eu devo ter tirado uns 8 tambas, 4 cortaram a linha e foi-se meu anzol... sem dúvidas foi a minha melhor pescaria em pesqueiros! espero que tenham gostado! abaixo algumas fotos. Abraço! 33Kg, será?
  7. Bom dia 23 fui para Peruibe achei melhor me hospedar no sabado em pousada pela região e ir pescar no domingo com a patroa rsss.... acordamos bem cedo, chegamos no pesqueiro por volta das 6 da manhã e já tinha gente lá. Levei algumas iscas mais devia ter pesquisado um pouco mais e esqueci o famoso beijinho onde os bixos estavam pegando. um cara que conheci la me empresto alguns e ai consegui pega até que um grandinho na beira dos 12kg creio eu. mais 2 pequenos coisa rara no 3 irmãos nem tirei foto porque a fotografa tinha me abandonado para ir durmi hahahhhaha Graças aos amigos aqui comprei repelente porque se não a coisa tinha sido feia ... no final da tarde resolveu cair o mundo la pela região.. e cara que fica la toma conta tudo falo que tava chovendo assim a semana toda. bom resultado foi só essas duas fotos, já comprei uma passagua maior porque o meu não deu conta o tamba fico quase pra forá... hahaha vlw galera o tamba se batia muito por isso cara de força pra segura .. depois disso logo pra água pra fazer alegria do pessoal e concerteza volto la mais vezes, Lugar bem limpo, organizada os preços não são abusivos (graças ) o almoço é simples e bem feitos, o que é legal que da pra levar Patroa sem problemas vlw galera
  8. Como uma tradição, todo final de ano a gente aqui reúne a família para uma pescaria de praia, esse ano que passou não podia ser diferente... Caraguatatuba/SP, Capricórnio – 26/12/2012 18h45 até o pôr-do-sol; O primeiro dia foi só um pré-aquecimento, pois a pescaria mesmo estava programada para o dia 27. Eu e meu irmão (Ulisses) pescamos apenas com iscas artificiais, um conjunto para cada, e uma mochilinha com acessórios básicos. Não estou de brincadeira, no primeiro arremesso ele já acerta um peixinho. Aproveitei o momento para testar outro tipo de isca artificial. É macia, tem um nado bem natural, acoplada a um jig head delicado. Desenvolvida para pesca do Mebaru (um tipo de garoupa que não passa dos 30 cm) e do Aji (carapau). Não obtive resultados. Enfim, foi um lindo entardecer, registrei algumas imagens. Caraguatatuba/SP, Capricórnio – 27/12/2012 10h30 até 18h00; Gosto de começar a pescaria cedo, mas desta vez foi complicado. O problema foi conseguir o camarão. Estava em falta no camaroeiro, centro da cidade. Fomos até o entreposto de pesca em Porto Novo, lá o camarão estava com cheiro de podre. A solução foi buscá-lo na marina Vitória, divisa com Ubatuba. Nesta pescaria utilizamos iscas naturais: camarão sete-barbas e camarão branco, apenas. Pé na areia! Adotamos a seguinte “estratégia”... Eu estava pescando a curta-distância, questão de gosto. O meu pai (Sr. Zezinho) estava pescado a média-distância, em respeito à idade. O Ulisses a longa distância, também questão de gosto. Eu, alguns roncadores, o Sr. Zezinho algumas estrelas-do-mar, o Ulisses? O vento sul, que não deu trégua, foi ficando cada vez mais intenso. Ao longe, pelo lado direito, avistamos uma mancha marrom a caminho. Pensamos: — Só vai dar bagres! Por toda essa ventania, não conseguimos montar a tenda para se abrigar do sol. O jeito foi buscar uma sombra embaixo da árvore de chapéu. Já revigorados, após um lanche voltamos aos trabalhos... Daí em diante foi um festival de bagres, de todos os tipos: branco (poucos), amarelo, sari e bandeira. Um pouco depois chega todo o pessoal, irei apresentá-los....... Sogra do meu irmão (Srta. Mara), esposa do meu irmão (Michele): Sobrinho do meu irmão (Vitor): Meu cunhado (André), meu sobrinho (Lucas), meu pai (Sr. Zezinho): Minha Irmã (Simone): Tentei pescar com iscas artificiais nesta situação que não é ideal. Tive pouquíssimas ações. Se eu capturei umas dez guaiviras foi muito. Nesta pescaria, pela primeira vez, a gente utilizou linha cônica, 0,23 mm > 0,48 mm (220 m), com mudança de cor a cada 25 m. O Ulisses estava emplacando 6 cores, aproximadamente 150 m de distância, já descontado a saída de linha. Ele também mandou muito bem, conseguiu não só os maiores peixes, como também a diversidade e a quantidade. Todo mundo resolve entrar na brincadeira....... A Michele pescou um bagre-amarelo (Cathorops spixii) de tamanho um pouco incomum, aproximadamente 47 cm. O Sr. Zezinho, feliz da vida. Utilizei flutuadores para fugir dos bagres, funciona. No final o André conseguiu um flechinha, que embuchou. Para soltá-lo, cortei a pernada uns 10 cm acima da boca. Não sei ao certo se esse é o procedimento mais correto, mas acredito que seja melhor que utilizar desembuchadores. A intenção era continuar pescando até escurecer, porém estava ameaçando uma tempestade eletromagnética, recolhemos as tralhas por precaução. Caraguatatuba/SP, Praia de Indaiá – 31/12/2012 pouco antes da virada; Devido a um compromisso, o Ulisses e sua família retornaram no dia 28. Até pensei em uma pescaria, mas por bom senso desisti da idéia, pois a cidade estava superlotada, fiquei apenas cuidando do material. Que todos nós tenhamos um ótimo 2013. É isso ae!
  9. Resolvi colocar em prática uma das técnicas que aprendi esse ano após estudo em fóruns e blogs do Japão. Bem, apresentando a tralha: Como tudo funciona? Arremessa-se a “bóia” (mouse, tecnicamente) o mais longe possível e vem recolhendo — isso é só o basicão. A formato do mouse provoca uma onda lateral que se espalha em “v” na superfície da água. Isto de certo modo atrai o peixe, que ataca o trolling jig acoplado logo atrás. É como se fosse uma pesca embarcada de corrico, só que em menor escala. * Já tinha utilizado sistemas parecidos antes, como a bóia de arremesso ou a chumbada no formato moeda (ou barata). Contudo, o mouse mostrou-se muito mais eficiente no que tange: distância de arremesso, embolamentos, torção de linha, controle, também funcionam em meia-água, entre outros. Selecionei dois tutoriais, em japonês, mas bem ilustrativo: (1) http://www.castizm.c...mono/index.html (2) http://yumitunobluer...1/howfish1.html (Pág 1, 2, ..., 5) Se alguém tiver alguma questão, pode perguntar. Capricórnio, Dia 08, 11h30 - 13h00 As condições eram propícias para pesca com iscas artificiais de superfície. Água muito clara, ondulação moderada, pouca marola e boa iluminação. Adotei a estratégia de caminhar ao longo da praia ao invés de ficar arremessando em um ponto apenas. Observando sempre alguma movimentação na superfície, ou arremessando aleatoriamente até achar um cardume. Não precisei andar muito! Consegui avistar alguns peixes atacando o mouse ou rebojando próximo ao jig. Permaneci no local. Próximo arremesso, uma ubarana salta com o jig no horizonte. Fiquei animado, mas não ficou. Outro arremesso, engato um agulhão, que também se livrou do jig. Mais alguns arremessos, algo valente aciona a fricção adoidado até escapar, fiquei curioso em saber que peixe era. Comecei daí em diante a caprichar mais na fisgada e no trabalho com peixe. Continuei caminhando à direita. Porém as ações diminuíram. Voltei arremessando, e encontro as ubaranas no mesmo local de antes! Foram várias capturas, com saltos, corridas, etc. Mas 50% delas conseguiam escapar, mesmo trabalhando com o caniço na linha d’água. Um fato curioso é que passei por diversos pescadores e ninguém estava pegando nada. Será que as iscas artificiais são mais eficientes que as naturais? Nestas condições. Acabei encerrando a pescaria, pois o sol estava castigando. Convém observar que todas as ubaranas foram libertas com o devido cuidado. Costumo trazer um pouco peixe para casa, mas essas são intragáveis. Capricórnio, Ainda Dia 8, 18h30 - 19h30 Estava com uma vontade enorme voltar ao local, mas devido a uns compromissos só sobrou o finzinho de tarde. Resolvi testar o mouse que trabalha à meia-água, #15 (= 60 g) sinking. Parei o carro mais próximo ao point onde tive mais ações de manhã. O interessante é que nesta área a areia era bem mais grossa, com declive acentuado, e muita vida: tatuíras, maria-farinha e pulgas-do-mar. Logo no primeiro arremesso um agulhão pula aonde caiu o mouse, o leader ficou todo puído, mas não arrebentou. Bem, desta vez saíram algumas guaiviras, sempre próximas à arrebentação, todas pequenas. Com o sol se pondo, uma grande surpresa! Longe, aproximadamente 60 m, uma ubarana monstro ataca. Um salto primoroso, tomando linha em seguida. Mais um tempo “e ela parece se entregar”. Quando chega à beira, outro salto (na minha cara!), com uma corrida lateral espetacular, difícil de acompanhar, exímia nadadora! Achei que dava, aproveitei uma onda para encalhar. No entanto escolhi a onda errada, muito alta. A linha afrouxou, escapou! Lamentei, fui muito ansioso. Capricórnio, Dia 9, 06h00 - 10h30 Acordei bem cedo, pois queria passar mais tempo pescado. As condições mudaram! A água já não estava tão limpa, com a maré trazendo muita sujeira para beira, tempo fechado e um sereno que persistiu ao longo da pescaria. As ações diminuíram! Ontem foi uma ação a cada 5 arremessos, hoje a cada 25 arremessos, em média. Apenas uma ubarana que escapou. O restante foram salteirinhas... Depois de duas horas decidi fazer uma pausa para um lanche. Na base encontro o meu pai com um duble de betaras. — Esqueci de comentar, mas o meu pai (Sr. Zezinho) esteve me acompanhando nesta pescaria. Um pouco cansado, daí em diante, passei a pescar de fundo também. Muito peixe pequeno, mas com boa variedade: pampo, betara, roncador-branco, riscadinho, estrela-do-mar (Hehehe!), palombeta, ... O meu planejamento era fazer uma pescaria em Ilhabela/SP na segunda-feira em uma determinada costeira em busca do bonito-serra. (O trolling jig foi desenvolvido para pesca do atum). Mas a frente fria me fez desistir da idéia: questão de segurança. É isso ae!

Parceiros: www.petsEXPERT.pt