Recommended Posts

Olá pessoal tenho um lago em minha chácara de 12x20 metros onde crio peixes como tilápias, pacus, catfishs, lambaris etc.. E até hoje nunca vi nenhum problema com a saúde dos peixes, trato diariamente com ração e aplico 2 sacos de calcário semestralmente, mas queria saber oque posso fazer para melhorar a qualidade da água assim como sua oxigenação, e os métodos certos para aplicar cálcario e outras substancias se necessário etc?

abrços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá pessoal tenho um lago em minha chácara de 12x20 metros onde crio peixes como tilápias, pacus, catfishs, lambaris etc.. E até hoje nunca vi nenhum problema com a saúde dos peixes, trato diariamente com ração e aplico 2 sacos de calcário semestralmente, mas queria saber oque posso fazer para melhorar a qualidade da água assim como sua oxigenação, e os métodos certos para aplicar cálcario e outras substancias se necessário etc?

abrços

Opa Guilherme!

Que bom que vc tem cuidado bem do seu lago e dos peixes nele!

Se vc não viu nenhum problema com eles, ou com a água (excesso de matéria orgânica, bloom de algas, etc...) é sinal que está tudo bem, e nesse caso, não se mexe em time que está ganhando :heh:

Entendo que vc quer aprender mais, para isso dê uma procurada sobre limnologia (é... o nome é estranho, mas é a bem grosso modo, o estudo da água e do ambiente aquático) e boas práticas de manejo em aquicultura, o Tio google dá uma ajudona, mas procure por instituições confiáveis: Embrapa, Instituto de pesca, UFRRJ, Caunesp... nestes sites, vc pode achar uns documentos com tudo que vc quiser saber pra continuar a cuidar bem do seu lago e de seus peixes. :joia:

Abraço!!

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Respondido. rs

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Garoto,
Sem sombra de duvidas,os peixes do lago tem parasitas como lérnea e argulos.Não se assuste,a não ser que tenha um surto os peixes vivem parasitados sem GRANDES problemas,mais a taxa de crescimento é afetada.
O tratamento é muito simples e barato:
2 gramas de Dimilin por 1.000 (MIL) litros de agua.
Importante não fazer o tratamento em dias muito quentes,pois a taxa de oxigênio estará baixa.
Sobre o aerador,existe os ACQ,não são profissionais,mais são de baixo consumo e quando apresentar problema vai ser o diafragma,que vc mesmo troca e custa baratinho.Aconselho o ACQ-012.
Vc encontra com preço bom na Carpalandia em Atibaia,tel 11-44115926.Despacha via correios para vc.Fala que foi o Irinho que indicou e se a Lucia não fizer o melhor preço do Brasil me cobra a diferença que EU pago.
Não sei se tem plantas,mais coloca uns mini papirus,aguapés,dentro de uma caixa plastica furada em baixo e envolta em macarrão de piscina para ela boiar que ajuda bastante na biologia…
Qq coisa chama ae no email….cambuicartuchos@hotmail.com

Abraço garoto,parabéns por ter um lago.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Garoto,

Sem sombra de duvidas,os peixes do lago tem parasitas como lérnea e argulos.Não se assuste,a não ser que tenha um surto os peixes vivem parasitados sem GRANDES problemas,mais a taxa de crescimento é afetada.

O tratamento é muito simples e barato:

2 gramas de Dimilin por 1.000 (MIL) litros de agua.

Importante não fazer o tratamento em dias muito quentes,pois a taxa de oxigênio estará baixa.

Sobre o aerador,existe os ACQ,não são profissionais,mais são de baixo consumo e quando apresentar problema vai ser o diafragma,que vc mesmo troca e custa baratinho.Aconselho o ACQ-012.

Vc encontra com preço bom na Carpalandia em Atibaia,tel 11-44115926.Despacha via correios para vc.Fala que foi o Irinho que indicou e se a Lucia não fizer o melhor preço do Brasil me cobra a diferença que EU pago.

Não sei se tem plantas,mais coloca uns mini papirus,aguapés,dentro de uma caixa plastica furada em baixo e envolta em macarrão de piscina para ela boiar que ajuda bastante na biologia…

Qq coisa chama ae no email….cambuicartuchos@hotmail.com

Abraço garoto,parabéns por ter um lago.

Bom dia!

Mas queria saber onde o amigo Guilherme mencionou que os peixes dele estão infestados por Argulus e/ou Lernea ??

Até onde eu li ele disse : "...E até hoje nunca vi nenhum problema com a saúde dos peixes..."

Outra irresponsabilidade de sua parte é indicar, sem conhecer o local, os peixes e as condições à que eles estão sendo criados, um produto químico que nem registro no Ministério da Agricultura tem, para ser usado na aquicultura, pois o diflubenzuron (nome comercial Dimilin) é um inseticida para uso agrícola e registrado para uso em lavouras, sem falar que sua venda deve ser prescrita por um agrônomo.

Quanto aos demais produtos, vou me reservar ao direito de dizer que são indicados para pequenos lagos ornamentais, já que 12mx20m (supondo que tenha uma profundidade de 1 metro) são seus 240 metros cúbicos de água, e não vai ser um soprador de diafragma que vai resolver um problema de baixa oxigenação, caso isso aconteça...

Entendo a vontade de todos que querem ajudar quando fazemos algum comentário ou quando respondemos à alguma pergunta aqui no fórum, mas temos que ser responsáveis por certas coisas. Não devemos nunca recomendar um produto tóxico dessa natureza sem conhecer todos os fatores envolvidos e ter conhecimento pra isso, não falo nem em formação acadêmica, pois conheço muitos produtores rurais com apenas o primeiro grau com muito mais conhecimento, mas nenhum irresponsável a esse ponto.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Guest Normando

Dimilin não tem registro para uso em piscicultura. Seu registro no Brasil é para "uso exclusivamente agrícola". De acordo com a legislação brasileira somente pode ser adquirido mediante receituário agronômico emitido por profissional legalmente habilitado (registro no CREA).

Seu uso no Brasil é vedado em corpos dágua, devendo-se observar além daquelas medidas inerentes a sua finalidade, as seguintes restrições relativas ao meio ambiente:

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO
MEIO AMBIENTE:
Este produto é:
[ ] Altamente perigoso ao meio ambiente (CLASSE I)
[ ] Muito perigoso ao meio ambiente (CLASSE II)
[X] PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III)
[ ] Pouco perigoso ao meio ambiente (CLASSE IV)
Este produto é ALTAMENTE TOXICO para microcrustáceos.
• Evite a contaminação ambiental – Preserve a Natureza
• Não utilize equipamento com vazamento.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Aplique somente as doses recomendadas.
Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais
corpos de água. Evite a contaminação da água.
A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona
contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das
pessoas.
• Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distancia
inferior a 500 metros de povoação e de mananciais de captação de água para
abastecimento publico e de 250 metros de mananciais de água, moradias isoladas,
agrupamento de animais e vegetação suscetível a danos.
• Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes
às atividades aeroagrícolas.
A recomendação de uso de produtos classificados como fitossanitários somente pode ser feita por profissional devidamente habilitado mediante receituário agronômico. A comercialização e aplicação destes destes produtos fora das regras legalmente estabelecidas sujeita todos os envolvidos às penalidades da lei.
A ficha técnica do Dimilin está aqui:
Ah! O governo está usando este produto para controle do mosquito da Dengue. Não estão preocupados com a contaminação do meio ambiente, apenas com o custo do produto. Para quem já usou sem nenhum critério, DDT, piretroides e outros princípios ativos em programas de saúde pública não é nenhuma novidade. Mas as consequências já começam a aparecer:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Jogo do Bicho também é proibido no Brasil.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Guest Normando

Alguns artigos técnicos sobre o uso deste produto.

http://www.unicamp.br/unicamp/ju/570/estudo-revela-potencial-toxico-de-substancia-usada-na-piscicultura

http://www.unicamp.br/unicamp/sites/default/files/jornal/paginas/ju_570_pag_05_web.pdf

http://www.caunesp.unesp.br/publicacoes/dissertacoes_teses/teses/Tese%20Elissandra%20Ulbricht%20Winkaler.pdf

"........A portaria número 48, de 12/05/1997, da

Secretaria da Defesa Agropecuária, do Ministério da
Agricultura, determina que para o registro de antiparasitários
para bovinos sua eficácia não pode ser
inferior a 90%. Entretanto, não há até o momento
legislação para o uso de tais produtos em peixes ou
outros organismos aquáticos ou qualquer referência
sobre eventuais prejuízos causados ao meio
ambiente pelo uso de tais drogas. Não se deve
esquecer que no ambiente aquático das pisciculturas
estão presentes na cadeia alimentar de várias espécies
de peixes organismos como o zooplâncton que
realizam metamorfose. Portanto, esses sofreriam
também os efeitos do diflubenzuron. Assim sendo,
embora considerada uma droga relativamente
atóxica, seu uso deve ser parcimonioso e fora do
ambiente de criação, preferencialmente em
quarentenários, evitando-se a entrada tanto da droga
quanto dos parasitos naquele ambiente......"
Fonte: Eficácia do diflubenzuron no controle de Dolops carvalhoi (Crustacea:
Branchiura) em jovens pacus Piaractus mesopotamicus (Osteichthyes:
Characidae) naturalmente infectados
Sergio Henrique Canello Schalch1, Marco Antônio de Andrade Belo2, Vando Eduardo
Soares, Julieta Rodini Engrácia de Moraes2 e Flávio Ruas de Moraes1,2, 3*
1Centro de Aqüicultura, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Via Prof. Paulo Donato Castellane, km 05, 14884.900,
Jaboticabal, São Paulo, Brasil; 2Departamento de Patologia Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias/Unesp,
Via Prof. Paulo Donato Castellane, km 05, 14884.900, Jaboticabal, São Paulo, Brasil; 3Centro de Pesquisas em Sanidade
Animal/CPPAR, Via Prof. Paulo Donato Castellane, km 05, 14884.900, Jaboticabal, São Paulo, Brasil; Autor para
correspondÊncia. e-mail: fruas@fcav.unesp.br

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Guest Normando

respondendo ao autor do tópico:

Como já foi dito, aparentemente não existem problemas na sua criação. Procure manter estes parâmetros:

PH - o ideal é que fique na faixa de 6. Alterações ocasionais podem ser verificadas, mas não interferem na criação. O ideal é que se faça pelo menos de trinta em trinta dias uma verificação do PH. Pode- se usar uns destes kits de piscina, vendidos em qualquer loja do ramo. Estando o PH fora da faixa ideal, repete-se a operação diariamente durante uma semana, persistindo a anomalia procede-se a calagem.

Turbidez: Águas claras como piscina é indicação de que algo de muito grave pode ter acontecido (morte dos microrganismos), turbidez excessiva pode ser resultante de enxurrada tanto no tanque como no canal de abastecimento, espécie criada(carpas por exemplo) ou outros. O ideal é que se use um disco de secchi que você mesmo pode construir.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Disco_de_Secchi

Se houver problemas, detectar a origem e corrigir.

Alimentação: No caso de uso de ração, existem formulações adequadas para cada idade e peso dos peixes. As quantidades consumidas também variam obedecendo estes parâmetros. O ideal é que o arraçoamento seja sempre no mesmo horário a fim de se condicionar os peixes e permitir as avaliações periódicas. Na prática observe, se após algum tempo( a prática irá lhe indicar, mas considere em torno de vinte minutos) houver restos de ração é que a quantidade está acima do recomendado, então vá diminuindo até que toda a ração lançada seja consumida abaixo deste tempo.

Oxigenação: Observe se não há aglomeração do cardume junto à entrada dágua ou aglomeração à flor dágua com os peixes tentando "buscar ar" principalmente ao anoitecer e ao amanhecer . Isto indica baixa oxigenação. Muitas vezes pode ser corrigido com elevação da entrada de água, aumento do volume de entrada ou bombeamento da própria água do tanque com retorno. Por precaução pode ser mantido um aerador para emergências. Existem diversos modelos no mercado.

Sanidade dos peixes: Peixes com movimentação normal, alimentação dentro dos padrões conhecidos geralmente não apresentam problemas. Se observar peixes nadando de forma irregular, isolados nos cantos, apresentando parasitos internos ou externos, entre em contato com um profissional da área que poderá lhe fornecer as recomendações adequadas.

Lembrando que isto são práticas simples voltadas para a criação apenas como forma de lazer ou subsistência, criações intensivas ou comerciais exigem acompanhamento técnico constante e adoção de procedimentos mais complexos.

Alguns trabalhos que podem lhe ajudar:

http://www.espacodoagricultor.rj.gov.br/pdf/criacoes/TANQUESDETERRA.pdf

http://www.ceplac.gov.br/restrito/publicacoes/cartilhas/CT_03.pdf

http://www.fao.org/docrep/field/003/ab486p/AB486P01.htm

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

respondendo ao autor do tópico:

Como já foi dito, aparentemente não existem problemas na sua criação. Procure manter estes parâmetros:

PH - o ideal é que fique na faixa de 6. Alterações ocasionais podem ser verificadas, mas não interferem na criação. O ideal é que se faça pelo menos de trinta em trinta dias uma verificação do PH. Pode- se usar uns destes kits de piscina, vendidos em qualquer loja do ramo. Estando o PH fora da faixa ideal, repete-se a operação diariamente durante uma semana, persistindo a anomalia procede-se a calagem.

Turbidez: Águas claras como piscina é indicação de que algo de muito grave pode ter acontecido (morte dos microrganismos), turbidez excessiva pode ser resultante de enxurrada tanto no tanque como no canal de abastecimento, espécie criada(carpas por exemplo) ou outros. O ideal é que se use um disco de secchi que você mesmo pode construir.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Disco_de_Secchi

Se houver problemas, detectar a origem e corrigir.

Alimentação: No caso de uso de ração, existem formulações adequadas para cada idade e peso dos peixes. As quantidades consumidas também variam obedecendo estes parâmetros. O ideal é que o arraçoamento seja sempre no mesmo horário a fim de se condicionar os peixes e permitir as avaliações periódicas. Na prática observe, se após algum tempo( a prática irá lhe indicar, mas considere em torno de vinte minutos) houver restos de ração é que a quantidade está acima do recomendado, então vá diminuindo até que toda a ração lançada seja consumida abaixo deste tempo.

Oxigenação: Observe se não há aglomeração do cardume junto à entrada dágua ou aglomeração à flor dágua com os peixes tentando "buscar ar" principalmente ao anoitecer e ao amanhecer . Isto indica baixa oxigenação. Muitas vezes pode ser corrigido com elevação da entrada de água, aumento do volume de entrada ou bombeamento da própria água do tanque com retorno. Por precaução pode ser mantido um aerador para emergências. Existem diversos modelos no mercado.

Sanidade dos peixes: Peixes com movimentação normal, alimentação dentro dos padrões conhecidos geralmente não apresentam problemas. Se observar peixes nadando de forma irregular, isolados nos cantos, apresentando parasitos internos ou externos, entre em contato com um profissional da área que poderá lhe fornecer as recomendações adequadas.

Os parametros vão muito além dos citados.Variam para cada espécie.PH6 é extremamente ácido e serviria para espécies amazônicas.O PH ideal seria 7(7 é PH neutro).Lembrando que um Ph 6.8 é 10 vezes mais ácido que neutro e que 7.2 é 10 vezes mais alcalino que 7(neutro).O Disco d Secchi é usado apenas para piscicultura profissional e as escalas variam dentre as espécies mantidas.

Normando,aparentemente,tudo que vc postou foi copiado da internet.

Nada foi lido,interpretado e confrontado com outras informações e estudos.

Melhor mesmo o Guilherme contratar um Consultor para cuidar do lago dele.

Normando,legal seu interesse em buscar artigos.

Os ambientalistas condenam o uso e não dão outra opção para o piscicultor e/ou proprietário de um lago.

Se alguém aqui tiver outra opção de tratamento para os parasitas que acometem os lagos e lagoas de agua doce do Brasil, menos ou nada agressiva ao meio ambiente estou aceitando.

Os profissionais da area vão indicar:

Compostos Organofosforados

Dipterex

Dimilin

Neguvon

99,9% dos piscicultores do Brasil usam estes.O 0,1% que sobrou não devem usar nada,por isso que vez ou outra a gente encontra parasita em sashimi.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O dono do tópico nem deve olhar mais ele, de tanto medo do nível da conversa, rsrrs

2x :rotfl2:

hehehee.....Não merece nem resposta! cada doido que me aparece aqui!

http://www.tecmundo.com.br/msn-messenger/1730-o-que-e-troll-.htm

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estou fechando este tópico, primeiro em razão de que desvirtuou-se e, isso aqui, não é permitido. Segundo, porque, afinal o autor já obteve ótimas respostas por parte daquele realmente imbuídos de boa vontade e respeito pela discussão séria e educada. :ok:

Fica o aviso ao usuário Irinho que se seguir com sua participação respondendo da forma ríspida e mal educada como aqui fez em uma das respostas (esta resposta está agora oculta e só pode ser lida pela administração), restará sob moderação. :ok:

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.
Entre para seguir isso  

Parceiros: www.petsEXPERT.pt